Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Continua após publicidade

Aos vencedores, as batatas…

...quentes de uma disputa que terá um único perdedor: nós

Por Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 9 fev 2024, 11h15 - Publicado em 9 fev 2024, 06h00

Na reabertura dos trabalhos legislativos, o presidente da Câmara, Arthur Lira, fez um discurso recheado de ameaças ao Executivo. E o Supremo não perde por esperar: no Congresso, fala-se em limitação das decisões monocráticas, mandato com tempo fixo, redução da idade de aposentadoria e até concordância prévia do Legislativo para ações contra parlamentares (!).

Executivo e Supremo não são vítimas inocentes. Lula poderia ter feito um governo de coalizão e garantido apoio no Congresso. Preferiu governar só com sua turma e o Centrão, fórmula já testada antes com resultados conhecidos e desastrosos. O presidente investe no confronto (até as minorias, que em geral o apoiam, insulta), defende a gastança, o desenvolvimentismo e o aparelhamento que levaram o país à lona. Mas quer que os outros cortem custos. Por que será que colhe tanto mau humor?

Sun Tzu ensinou que quem conhece seu inimigo e a si mesmo vencerá todas as batalhas. Lula, que não leu A Arte da Guerra e parece não se lembrar de quem é, nem do que é o Centrão (bloco de “moral homogênea”, diria, talvez, o deputado Márcio Moreira Alves), coleciona derrotas no Congresso.

“O presidente investe no confronto, defende a gastança e o aparelhamento que levaram o país à lona”

Os parlamentares ameaçam derrubar o veto aos 5,6 bi que pretendem empregar em obras eleitoreiras etc. (o “etc.” é um perigo). E devolver a MP da reoneração, com que Lula tenta derrubar a derrubada do veto com o qual tentou derrubar o redobre da desoneração (não, política brasileira não é simples).

Continua após a publicidade

No Supremo, o ministro Dias Toffoli suspendeu, sozinho e sem motivo convincente, multas bilionárias de uma empresa cliente de sua mulher e de outra cujo presidente, segundo a Crusoé, se referia ao ministro como “amigo do amigo do meu pai”. Na ponta oposta, mandou investigar a Transparência Internacional, que o citou como um dos motivos para a queda do Brasil no ranking de corrupção.

Ministros do Supremo falam pelos cotovelos, mas não falam em levar ao plenário as medidas de Toffoli. Nem cogitam apreciar a decisão de Ricardo Lewandowski sobre as estatais, que permitiu seu aparelhamento com gente sem qualificação e de moral duvidosa. E acham normal ministro ser empresário, dar palestra remunerada secreta, ter parente representando junto ao tribunal.

É positivo que o Congresso queira combater excessos e desvios, mas não é isso que o anima contra os outros poderes. Lira quer recuperar os 5,6 bi, derrubar o articulador político do governo no Congresso e obter o apoio de Lula para seu candidato à presidência da Câmara. E mudar de assunto em relação ao escândalo da Perse (o “etc.” da vez). Lira nunca foi de querer pouco.

Com o Supremo, a bronca é porque os parlamentares acham que a Corte toma decisões sobre temas que pertencem a eles mesmos, não aos juízes. Temas sobre os quais “eles mesmos” nunca decidem. Na prática, o que defendem é o vácuo legal. E tem as buscas e apreensões da investigação do 8 de Janeiro, que estão deixando parlamentares em pânico — e em busca de im(p)unidade.

Continua após a publicidade

Enfim, não há ninguém certo.

A briga deve continuar, sem vencedores claros. Sobrarão batatas (quentes) para todos.

Para nós, sobrará a conta.

Publicado em VEJA de 9 de fevereiro de 2024, edição nº 2879

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.