Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Se a imprensa, especialmente as TVs, não mudar a sua cobertura, ainda terá de explicar o sangue nas ruas

Se a imprensa brasileira mantiver uma leitura da realidade que considero essencialmente distorcida, confundindo o direito à livre manifestação com licença para ignorar todos os limites legais, ainda vai ter de explicar o sangue na praça. A presidente, governadores e prefeitos estão, sim, um tanto acuados e assustados. Há quem ache isso bom. Eu considero […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 05h57 - Publicado em 20 jun 2013, 21h52

Se a imprensa brasileira mantiver uma leitura da realidade que considero essencialmente distorcida, confundindo o direito à livre manifestação com licença para ignorar todos os limites legais, ainda vai ter de explicar o sangue na praça.

A presidente, governadores e prefeitos estão, sim, um tanto acuados e assustados. Há quem ache isso bom. Eu considero péssimo. Entre Marat e Ortega y Gasset, eu sou Ortega y Gasset, entendem? Eu continuo, como posso dizer?, um “conservador” mesmo quando os petistas podem estar quebrando a cara. Mas retomo.

A categoria verdadeiramente acuada, no front, no calor da hora, são os policiais militares do Brasil inteiro. Eles se tornam a primeira barreira de contenção e o primeiro alvo.

O diabo é que as polícias passaram por um intenso processo de demonização — trabalho inequívoco, desastrado e irresponsável de amplos setores da imprensa brasileira. E agora? Como é que se diz aos manifestantes algo assim: “Vocês não devem fazer isso com a polícia”?

Continua após a publicidade

As Polícias Militares do país inteiro passam por um intenso processo de desmoralização e de demonização. Ainda há pouco, na GloboNews, um professor vituperava contra a Polícia Militar do Rio, acusando-a de ser a responsável pelos confrontos e usava como exemplo contrário, de competência, a do Distrito Federal. Até então, os conflitos em Brasília ainda não haviam começado. Agora, o pau está comendo. Culpa de quem, professor?

Se a PM não tem mais legitimidade para conter o caos, resta ao jornalismo dizer quem tem. Uma coisa é certa: não se vão resolver todos os problemas do Brasil em 24 horas. Se cada grupo organizado resolver levar a sua agenda para a praça, maximizando-a, sem aceitar nenhuma noção de limite, então a única saída é a volta ao estado da natureza.

Sim, ainda falarei sobre São Paulo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.