Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Itália ameaça barrar entrada do Brasil no G-8

Sobre a contribuição de Tarso Genro para a grandeza do Brasil, leia reportagem de Jamil Chade, correspondente do Estadão em Genebra: Em um claro sinal de protesto e de agravamento da crise, a Itália convoca seu embaixador em Brasília de volta à Roma e afirma que vai continuar a pressionar por uma revisão da decisão […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 18h16 - Publicado em 27 jan 2009, 16h43
Sobre a contribuição de Tarso Genro para a grandeza do Brasil, leia reportagem de Jamil Chade, correspondente do Estadão em Genebra:

Em um claro sinal de protesto e de agravamento da crise, a Itália convoca seu embaixador em Brasília de volta à Roma e afirma que vai continuar a pressionar por uma revisão da decisão do Brasil de dar status de refugiado político ao ex-ativista de extrema-esquerda, Cesare Battisti. Os italianos, que presidem o G-8 (grupo dos países ricos) ainda insinuaram que podem dificultar um convite ao Brasil para participar do grupo de elite das grandes potências.

A decisão de chamar o embaixador foi tomada pela cúpula do governo italiano, com o envolvimento direto do primeiro-ministro Silvio Berlusconi. A situação era tão tensa que, durante o dia, o governo italiano ameaçou impôr mais uma retaliação: pedir o à Azzura para cancelar a partida amistosa entre as seleções da Itália e do Brasil, que ocorre em Londres dia 10 de fevereiro. No final da tarde, o governo admitiu que isso era “apenas uma provocação”.

A parte mais grave da resposta italiana foi mesmo na área diplomática. Oficialmente, o embaixador será chamado apenas para consultas na chancelaria italiana e a decisão não representa o rompimento nas relações entre os dois países. Mas, na linguagem diplomática, a convocação de um embaixador é considerado como um ato de protesto e o último passo de um governo antes do rompimento de relações diplomáticas.

Roma admitiu que a convocação de seu embaixador é a primeira em décadas e justifica a decisão: o Brasil está dando refúgio a uma pessoa condenada à prisão perpétua pela Justiça italiana.

A decisão foi tomada depois que a Procuradoria Geral da República recomendou ao STF (Supremo Tribunal Federal) que facilitasse a concessão de refúgio político e liberdade a Battisti. A Itália considerou “um escândalo” a decisão do procurador brasileiro, Antonio Fernando de Souza, de pedir o arquivamento do pedido de extradição.”Após uma consulta com o primeiro-ministro (Berlusconi) sobre a grave decisão do procurador-geral Antonio Fernando de Souza, o Ministro das Relações Exteriores, Franco Frattini, convocou o embaixador italiano no Brasil, Michele Valensise, para consultas em Roma”, afirmou a nota do governo italiano.

“Foi uma decisão muito grave e francamente inaceitável”, disse o ministro das Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini, em relação o arquivamento do processo. Na semana passada, o governo italiano havia solicitado ao STF vista do processo de extradição do ex-ativista. “A resposta saiu em apenas 48 horas sem objetivamente ter uma avaliação com aquela profundidade que esperávamos. Nos parece que simplesmente acataram a decisão política do ministro da Justiça brasileiro “, disse o ministro. “Esperávamos uma reflexão mais aprofundada”, disse Frattini sobre a resposta do procurador.

Frattini insitiu que convocou o embaixador para consultas diante da decisão do procurador. “Vamos discutir quais serão as novas diretrizes”, disse. Para o chanceler italiano, o Brasil é “um grande país amigo da Itália”. “Mas exatamente por isso não esperávamos que fizessem algo tão grave”. “Battisti é um terrorista e não merece o status de refugiado político”, atacou.

Continua após a publicidade

O ministro italiano para Assuntos Europeus, Andrea Ronchi, considerou “vergonhosa” a postura do Brasil. “É intolerável que o assassino de quatro cidadãos italianos possa ficar em liberdade e viver tranquilo no Brasil. Estamos drasticamente indignados. É um escândalo moral, uma vergonha que ainda se justifiquem os assassinatos”, disse o ministro.

O vice-ministro de Relações Exteriores, Alfredo Mantica, se disse “indignado” com o Brasil. “Lula coloca em discussão a democracia e o sistema jurídico italiano”, afirmou. “Francamente, não podemos aceitar receber uma lição do Brasil ou de Lula”, atacou.

Retaliação
Além da iniciativa política, o governo anunciou que queria pedir à federação de futebol da Itália para reconsiderar a partida amistosa contra o Brasil. “Precisamos fazer uma séria consideração sobre a hipótese de cancelar a partida amistosa entre as seleções. Diante da situação entre Itália e Brasil, corremos até o risco de que um espetáculo esportivo se transforme em uma disputa política”, disse o vice-ministro de Relações Exteriores, Alfredo Mantica. No final do dia, Mantica admitiu que estava fazendo uma “provocação”. Berlusconi, assim como Lula, é apaixonado pelo futebol.

Mas continuou ameaçando e o impacto poderá ser sentido na política externa. “Estávamos prontos para acolher o Brasil e escoltá-lo para o G8″, afirmou Mantica. “Mas agora vivemos uma desilusão profunda”, disse Mantica, à Radio3 Mondo.

Em plena crise mundial, o G8 estuda uma nova participação dos países emergentes. Lula, assim como os presidentes da China, Índia e outros, eram sempre convidados aos encontros, mas não tinham voto nas decisões. Em 2009, porém, a Itália queria aproveitar sua presidência no grupo para oficializar a entrada dos países emergentes no bloco.

Fontes do Ministério das Relações Exteriores da Itália admitiram ao Estado que o caso está tendo “enorme repercussão” na cúpula do governo de Silvio Berlusconi, que também é presidente do Milan. “Há muita sensibilidade em relação ao tema, em especialmente nesse governo”, afirmou a fonte diplomática.

Continua após a publicidade

Em Roma, o gabinete de Mantica insistiu que o governo Berlusconi se sentiu “traído” pela decisão do Brasil. Em dezembro, Lula havia estado em Roma para uma visita oficial e Berlusconi não economizou esforços para tentar agradar o brasileiro.

As promessas de investimentos no País também se multiplicavam, pelo menos antes da crise financeira mundial. Em Roma, a embaixada brasileira recebeu até mesmo empresários interesses nos projetos do PAC, em especial na construção do trem-bala entre São Paulo e Rio de Janeiro.

Protestos
Já a embaixada do Brasil em Roma está observando nos últimos dias um novo fenômeno: a avalanche de e-mails e cartas que está recebendo, com críticas à decisão brasileira em relação a Cesare Battisti. A embaixada não está sequer dando conta de responder os e-mails.

“São dezenas de mensagens por dia”, informou um funcionário da embaixada. Alguns dos e-mails chegam a usar palavrões para atacar o Brasil e insultos pesados. O jornal Il Tempo, de Roma, ainda iniciou uma campanha para pressionar pela extradição de Battisti. O jornal pede a adesão de Italianos e mesmo de brasileiros que vivem no país.

Após pronunciamento do governo brasileiro, o STF deve julgar a causa de Battisti, que aguarda em uma penitenciária de Brasília uma possível libertação, depois de ser detido no Rio de Janeiro em 2007 e de ser condenado na Itália por quatro assassinatos. O caso envolveu até a primeira-dama francesa, Carla Bruni, acusada por uma associação de vítimas italianas de influenciar a decisão de Lula durante sua visita ao Brasil, em dezembro.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.