Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Produtores de vinho do RS tentam justificar trabalho escravo em vinícolas

Associação comercial de cidade da serra gaúcha põe a culpa na ‘falta de mão de obra’ e trabalhadores que sobrevivem de ‘sistema assistencialista’

Por Ramiro Brites Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 2 mar 2023, 16h59 - Publicado em 28 fev 2023, 12h36

O Centro da Indústria, Comércio e Serviços, de Bento Gonçalves, onde foram encontrados cerca de 200 trabalhadores baianos em situação análoga à escravidão, publicou nota em que relaciona o crime à população inativa, que sobrevive por meio de programas sociais. A entidade reclama de “carência de mão de obra às empresas” da Serra Gaúcha. 

“Situações como esta, infelizmente, estão também relacionadas a um problema que há muito tempo vem sendo enfatizado e trabalhado pelo CIC-BG e Poder Público local: a falta de mão de obra e a necessidade de investir em projetos e iniciativas que permitam minimizar este grande problema. Há uma larga parcela da população com plenas condições produtivas e que, mesmo assim, encontra-se inativa, sobrevivendo através de um sistema assistencialista que nada tem de salutar para a sociedade”, disse a associação, em nota. 

Após a denúncia de três trabalhadores, que procuraram a Polícia Rodoviária Federal em Caxias do Sul, também na Serra Gaúcha, uma investigação descobriu que as empresas Fênix Serviços e Oliveira & Santana mantinham centenas de homens em uma pousada, em Bento Gonçalves. No alojamento, os trabalhadores eram monitorados por câmeras, alimentados com comida estragada e submetidos a choques, espancamentos e spray de pimenta. 

Por meio da empresa terceirizada, os trabalhadores prestavam serviço às vinícolas Aurora, Salton e Cooperativa Garibaldi. Após a investida do Ministério Público do Trabalho, 196 trabalhadores foram resgatados e retornaram à Bahia. 

Continua após a publicidade

O governador Eduardo Leite anunciou nesta terça que uma investigação interna apura se houve facilitação de policiais militares do Rio Grande do Sul na exploração dos trabalhadores. Leite informou ainda que se reunirá com o secretariado para discutir ações do governo em relação ao crime. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.