Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Na disputa entre Lula e Arthur Lira, quem perde é o país — de novo

Chefes da Câmara e do Executivo repetem disputa de poder que já provocou graves atrasos à agenda nacional num passado recente

Por Robson Bonin Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 12h17 - Publicado em 17 abr 2024, 08h18

Nesta terça, o chefe do Incra, César Fernando Schiavon Aldrighi, demitiu o primo do chefe da Câmara, Arthur Lira, do comando da superintendência do órgão em Alagoas.

Aldrighi vingou o petismo e o ministro Alexandre Padilha, que vinha sofrendo publicamente com as críticas de Lira ao trabalho da articulação política do Planalto.

Wilson César de Lira Santos, o parante do chefe da Câmara, logo arrumará outra coisa para fazer. As relações entre Lira e o Planalto, no entanto, caminham para o distanciamento permanente.

Lira não é Lula, não confia no petismo e tem laços inquebrantáveis com Jair Bolsonaro e a direita no Parlamento. Em diferentes momentos, jogou com o governo atual porque era de seu interesse. Tirando isso, nunca deixou de empoderar a oposição.

Continua após a publicidade

Lula também não é Lira, não confia no alagoano e já fez questão de dar demonstrações públicas de que não teme o poder do chefe da Câmara em fim de mandato. Na semana passada, Lira praticamente demitiu Padilha da articulação política. Deixou claro que é seu “desafeto pessoal” e chamou o auxiliar presidencial de “incompetente”. Lula fez questão de mostrar que Lira não tem essa bola toda para tirar ministro no governo. “Só por teimosia, Padilha vai ficar muito tempo”, disse o petista.

“Demitir um ministro porque o presidente da Câmara não gosta dele seria o mesmo que transformar Lula em Jair Bolsonaro”, diz um aliado do petista na Casa.

Lula sabe que o tempo joga a seu favor e que, na Câmara, tudo se compra, até a traição de aliados a Lira.  “O Arthur tem menos de oito meses de mandato. Lula, mais dois anos e meio. Quem tem mais expectativa de poder?”, questiona esse aliado.

Continua após a publicidade

Não deixa de ser um jogo de risco. É nesse território que Lira ensaia retaliar o governo travando a pauta no plenário, liberando a abertura de CPIs em série e encaminhando a votação de pautas que prejudiquem o plano financeiro do governo e que fortaleçam a oposição.

Ainda que o país já tenha visto esse filme com Dilma Rousseff e Eduardo Cunha, o momento agora é outro e os personagens, também. A única coisa que não muda é o resultado dessa disputa fisiológica de poder entre o chefe da Câmara e o do Planalto: quem perde é o país.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.