Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Governo cede em pontos da MP das subvenções, mas ainda sofre resistências

Parlamentares e empresas tentam flexibilizar alcance e prazo das cobranças; Fazenda estimava arrecadar R$ 35 bilhões em 2024 com texto original

Por Nicholas Shores Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 11 dez 2023, 16h58 - Publicado em 11 dez 2023, 15h51

O governo Lula negociou com parlamentares e empresas algumas concessões na medida provisória 1.185 de 2023, a MP das subvenções, mas ainda enfrenta resistências à proposta. Basicamente, o texto integra incentivos fiscais dados pelos estados à base de cálculo de tributos federais. Para viabilizar sua aprovação, o Ministério da Fazenda de Fernando Haddad está sendo obrigado a calibrar o alcance e o prazo das cobranças.

Quando enviou a MP ao Congresso, a Fazenda estimava que o texto integral turbinaria a arrecadação de 2024 em 35 bilhões de reais. Naturalmente, cada trecho negociado desidrata o potencial de aumento de receitas. Está marcada para terça-feira uma reunião da comissão mista de deputados e senadores que analisa a medida provisória antes da votação no plenário de cada Casa, mas há chances de um novo adiamento. O relator da proposta, deputado Luiz Fernando Faria (PSD-MG), ainda não publicou seu parecer.

Um dos principais pontos de atrito é a retroatividade – ou seja, a cobrança às beneficiárias das subvenções de um saldo devedor de até cinco anos para trás em que as empresas não contabilizaram os incentivos na receita bruta e no lucro real, descontando-os, na prática, na hora de recolher o Imposto de Renda, o PIS/Cofins e a CSLL.

O vice-presidente da comissão mista que analisa a MP, deputado Mauro Benevides Filho (PDT-CE), afirmou ter negociado com o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Dario Durigan, um aumento do desconto sobre o saldo devedor retroativo de 65% para 80%. Também acertou uma ampliação do prazo para as companhias pagarem os 20% efetivamente cobrados, de seis para doze meses.

Continua após a publicidade

A maioria das empresas que participam da discussão, no entanto, diz, com base na Lei Complementar 160, que não deveria haver nenhuma cobrança retroativa.

No Congresso, há uma resistência maior à MP entre os senadores, cuja eleição, majoritária, costuma estar politicamente atrelada à dos governadores de seus respectivos estados. Muitos destes recebem reclamações de empresas beneficiárias das subvenções de ICMS e transmitem a parlamentares o temor de que a redução do benefício tributário leve as companhias a cortar postos de trabalho ou, até, a fechar fábricas.

Outro ponto da MP sob ajustes é a definição, em lei, que as beneficiárias só poderão receber subvenções para realizar investimentos – fechando de vez a porta para cobrir despesas de custeio com o incentivo. 

Continua após a publicidade

Em mais um aceno aos parlamentares, negociado pela cúpula da comissão mista da MP 1.185, a Fazenda aceitou ampliar o conceito de investimento, que passaria a comportar gastos como aluguel de imóveis e leasing de máquinas.

Estima-se que, até agora, as empresas só usassem cerca de 40% dos créditos de subvenções em investimentos e o restante com custeio. O texto original da MP do governo Lula cortaria, de cara, 60% do valor dos incentivos às companhias. A flexibilização, em lei, do conceito de investimento reduz o impacto da medida provisória.

Um ponto em que a Fazenda ainda hesita em ceder é o pedido dos parlamentares para que, além do IRPJ, a Receita também devolva às empresas subvencionadas uma fatia do PIS/Cofins ou da CSLL arrecadados sobre gastos em investimentos.

Continua após a publicidade

Outro ajuste no relatório da MP negociado pela cúpula da comissão mista – e que agradou ao governo Lula – é a estipulação de um prazo de 30 dias para a Receita Federal decidir sobre a habilitação de uma empresa para receber créditos de subvenção. Atualmente, a habilitação pode demorar meses ou, até, mais de um ano.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.