Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Defesa de Ribeiro aponta parcialidade de juiz e pede revogação de prisão

Ex-ministro foi solto após decisão em caráter liminar; advogados agora querem parecer definitivo que anule o juízo inicial

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 28 jun 2022, 19h44 - Publicado em 28 jun 2022, 19h28

A defesa de Milton Ribeiro apresentou uma petição à Justiça Federal nesta terça-feira pedindo a revogação definitiva da decisão que levou à prisão do ex-ministro, na última semana.

Os advogados alegam que o parecer do juiz Renato Borelli, da 15ª vara da Justiça Federal do DF, teve “ausência de imparcialidade”. O pedido foi apresentado ao desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região — que ordenou a soltura do ex-chefe do MEC.

“Ao invés de esmiuçar, com a necessária isenção (…), S.Excelência injustificavelmente exerceu verdadeira defesa de seus argumentos, como se parte fosse e como se tivesse interesse (…) em análise do ofício elaborado e encaminhado pelo Juízo Coator se revela excessivo juízo de valor e até mesmo eloquência acusatória, como se o destino do aqui paciente, que ocupa a mera condição de investigado, já estivesse definido e selado”, dizem trechos da petição.

Milton Ribeiro foi preso preventivamente na última semana, no âmbito de investigação da Polícia Federal que apura negociação irregular de verbas no Ministério da Educação, envolvendo o próprio ex-ministro, assessores da pasta e pastores evangélicos.

No dia seguinte, foi solto por determinação de Ney Bello — que proferiu a decisão em caráter liminar. O que a defesa pede, agora, é que seja dado um parecer definitivo sobre a prisão do ex-chefe do MEC, de forma a anulá-la.

“Aguarda-se que seja conhecida e deferida a ordem para definitivamente cassar a decisão monocrática e permitir que o ora paciente possa, em liberdade, aguardar o desfecho das investigações”, pedem os advogados.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)