Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Paraná Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por VEJA Correspondentes
Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens paranaenses. Por Guilherme Voitch, de Curitiba
Continua após publicidade

Agressões e confrontos marcam primeiro dia de Lula no Paraná

A região Sul tem sido a mais hostil ao presidente Lula até o momento; caravana petista vai passar por Quedas do Iguaçu e Laranjeiras do Sul

Por Guilherme Voitch
Atualizado em 27 mar 2018, 16h41 - Publicado em 27 mar 2018, 08h45

No primeiro dia de sua passagem pelo Paraná, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a enfrentar fortes protestos, como tem sido a regra na passagem da caravana do petista pela região Sul. Em Foz do Iguaçu, Oeste do Estado, a Polícia Militar (PM) precisou usar bombas de gás e spray de pimenta para conter o avanço de manifestantes contrários ao ex-presidente. O grupo furou um bloqueio policial para se aproximar de um sindicato onde apoiadores do petista aguardavam Lula. Um padre de 64 anos foi atingido por um soco no rosto.

Em Francisco Beltrão, Sudoeste do Estado, um repórter do jornal O Globo foi agredido por um segurança do ex-presidente quando filmava uma manifestação contra o petista, nas imediações do aeroporto da cidade. Manifestantes tentaram impedir o acesso da caravana de Lula ao aeroporto. Eles estacionaram um caminhão na via que dava acesso ao local. Um juiz da cidade precisou ser chamado para negociar a passagem do ex-presidente, que conseguiu embarcar para Foz.

Mais cedo, pessoas contrárias ao ex-presidente já haviam fechado a PR-280, em Marmeleiro. O grupo queimou pneus e impediu a passagem dos veículos. A caravana ficou quase uma hora parada.

Continua após a publicidade

Em São Miguel do Oeste (SC), manifestantes contrários ao ex-presidente arremessaram ovos no palanque em que ele discursava. Em Passo Fundo (RS), o ex-presidente não conseguiu entrar na cidade e precisou alterar seu roteiro.

Nesta terça-feira, o ex-presidente visita Quedas do Iguaçu e Laranjeiras do Sul. Nas duas cidades a presença do MST é forte. O grupo tem diversos acampamentos nos dois municípios e, em Quedas, está localizado um dos maiores assentamentos de reforma agrária do Brasil, o Celso Furtado.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.