Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Som e a Fúria

Por Felipe Branco Cruz
Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal
Continua após publicidade

O novo e ruidoso capítulo da briga entre ex-integrantes do Pink Floyd

Roger Waters regravou o clássico 'The Dark Side of The Moon', criticou os colegas e defendeu a Rússia

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 fev 2023, 12h04 - Publicado em 9 fev 2023, 11h56

A briga entre os ex-integrantes do Pink Floyd ganhou um novo capítulo nesta semana. Em entrevista ao The Daily Telegraph, o baixista Roger Waters disparou críticas contra os ex-integrantes e contou que regravou sozinho todas as músicas do clássico álbum da banda The Dark Side of The Moon, que completa 50 anos em março.

Recentemente, a esposa de David Gilmour chamou Waters de antissemita, defensor de Putin e megalomaníaco. Em resposta, o artista criticou a música Hey Hey Rise Up, composta pelo ex-colegas, para arrecadar fundos para as vítimas da Guerra da Ucrânia. Waters disse que os ex-colegas não sabem compor. “Nick Mason nunca fingiu que sabia compor. Mas David Gilmour e Rick Wright? Eles não conseguem compor músicas, eles não têm nada a dizer. Eles não são artistas, eles não têm ideias, nem uma sequer. Eles nunca tiveram e isso os enlouquece”, disse.

Sobre a regravação do clássico álbum, Waters disse: “Eu escrevi The Dark Side of the Moon. Vamos nos livrar desse negócio de ‘nós’. Claro que nós éramos uma banda, tinham quatro de nós, todos contribuímos – mas é meu projeto e fui eu que escrevi”. O entrevistador Tristram Fane Sauders ouviu uma prévia da gravação e ficou impressionado com o resultado. Segundo ele, Money ganhou uma influência country, que lembra Johnny Cash, Breathe é mais lenta. Time, por sua vez “soa fantástico com um novo timbre”.

Nesta quarta-feira, 8, Waters também discursou na ONU e se dirigiu ao Conselho de Segurança afirmando acreditar que a invasão à Ucrânia foi ilegal, mas que a agressão foi provocada. O convite, no entanto, partiu da própria Rússia e foi criticada pelos diplomatas. “A diplomacia russa costumava ser séria. O que vem depois? O Mr. Bean?”disse um diplomata do Conselho de Segurança da ONU, que falou sob condição de anonimato, à agência de notícias Reuters.

As reações ao discurso começaram imediatamente. Nesta quinta, o embaixador da Ucrânia na ONU fez um trocadilho com a música do Pink Floyd para criticar o músico. “Que triste para seus ex-fãs vê-lo aceitando o papel de apenas um tijolo no muro. Um muro de desinformação e propaganda russa”, disse Sergiy Kyslytsya. “” Continue dedilhando o violão, Sr. Waters. Convém mais do que dar palestras ao Conselho de Segurança sobre como agir. Nada de porcos voadores aqui, por favor”, acrescentou.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.