Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Noblat Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Coluna
O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Reforma administrativa: o fantasma de Ricupero e de Guedes

As sínteses são sempre perigosas, podem reverter uma situação desfavorável ou o contrário

Por João Bosco Rabello
Atualizado em 30 jul 2020, 19h09 - Publicado em 13 fev 2020, 13h00

Por João Bosco Rabello

Com o foco central na economia e a renúncia ao sistema de coalizão, o governo concentrou a defesa de seu projeto reformista no ministro da Economia, Paulo Guedes, que acumula os papéis de formulador e articulador das propostas oficiais junto ao Legislativo.

É também o caixeiro-viajante em defesa das mudanças, mais ou menos como o foi o diplomata Rubens Ricupero ( foto) para o plano Real no governo de Fernando Henrique Cardoso. Há, porém, mais em comum entre ambos: não são políticos.

Brilhante quadro público, Ricupero morreu pela boca, fulminado por uma indiscrição nos bastidores de uma emissora de televisão minutos antes de ser entrevistado sobre o plano em curso. “O que é bom a gente fatura, o que é ruim a gente esconde”, foi sua frase infeliz.

Na verdade, o experimentado diplomata queria dizer que o processo de convencimento impõe ao vendedor sublinhar as qualidades e vantagens do produto que procura consolidar. Ninguém vende um remédio expondo primeiro seus efeitos colaterais. Mas a síntese, em conversa informal captada pelas antenas da emissora, lhe foi fatal.

O ministro Paulo Guedes, igualmente um quadro de excelência, comete erro similar pela segunda vez. Já o fizera durante a reforma da Previdência, quando a intransigência com relação à sua proposta o fez colecionar opositores. O problema foi contornado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Continua após a publicidade

Dessa vez, o foco está na reforma administrativa, bem mais ambiciosa que a da Previdência,mas igualmente com clima favorável à sua aprovação: tem apoio da sociedade (88% se dizem favoráveis na pesquisa) e a vontade política produzida pela constatação de que, sem ela, o país ficará em pouco tempo ingovernável.

As sínteses são sempre perigosas, podem reverter uma situação desfavorável ou o contrário, desperdiçar oportunidades. Guedes pretendeu dizer que o modelo administrativo brasileiro é parasitário – uma crítica, portanto, ao sistema, mas acabou por chamar os servidores de parasitas.

Político algum cometeria tal erro. Sua frase levantou uma oposição corporativista que carecia de força e energia para enfrentar a reforma. Agora, como na Previdência, está nas mãos do comando Legislativo contornar esse efeito. O episódio reforça a necessidade de o governo ter um político capaz de articular no parlamento aquilo que formula.

Antes da frase infeliz do ministro, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, já vinham contornando insatisfações com o fato de o governo patrocinar a reforma administrativa diante da existência de projetos parlamentares anteriores. O Congresso deveria ter a precedência, reclamavam alguns parlamentares.

Agora parece que a proposta do governo entra em banho-maria, enquanto os bombeiros agem. Já se fala na possibilidade de o Congresso tomar a frente dessa importante reforma. Nesse caso, o governo perderá o patrocínio como ocorreu com a Previdência. Esta, porém, já não era inteiramente sua, mas uma obra fatiada de várias gestões.

Continua após a publicidade

 A reforma administrativa nasceu no atual governo com a chance de se tornar sua marca, como o plano Real para o governo Fernando Henrique. Tudo caminha para que, no mínimo, perca a exclusividade pela sua eventual aprovação.

A economia precisa da política, embora seja formulada por técnicos. Não adianta um projeto de excelência dentro de uma gaveta. Em algum momento, uma proposta (por isso tem esse nome) é submetida ao Congresso, aperfeiçoada ou reduzida em seu alcance, por determinação das condições políticas de aprová-la.

 

João Bosco Rabello é jornalista – https://capitalpolitico.com/

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.