Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Noblat

Por Coluna
O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Política externa desastrosa

O regime militar, que Bolsonaro diz admirar, não se permitiria tal submissão aos EUA

Por Ricardo Noblat
Atualizado em 18 nov 2020, 19h57 - Publicado em 22 set 2020, 13h00

Editorial de O Estado de S. Paulo  (22/9/2020)

Causaram justa indignação a extemporânea visita do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, a Roraima na sexta-feira passada e a recepção a ele dada pelo governo brasileiro. Tratou-se, como bem qualificou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de uma “afronta” às “tradições de autonomia e altivez de nossas políticas externa e de defesa”. A Rodrigo Maia juntaram-se os ex-chanceleres de todos os governos desde a redemocratização, que, em nota, salientaram a obrigação brasileira de “zelar pela estabilidade das fronteiras e o convívio pacífico e respeitoso com os vizinhos, pilares da soberania e da defesa”.

A visita do sr. Pompeo não tinha nenhum outro objetivo além de usar o Brasil na campanha do presidente dos EUA, Donald Trump, à reeleição. A intenção era explorar a crise na Venezuela para reafirmar o desejo do governo Trump de derrubar o regime do ditador Nicolás Maduro, algo que certamente agradaria ao eleitorado venezuelano exilado na Flórida, um dos Estados-chave na eleição de 3 de novembro.

Nem a diplomacia dos governos do regime militar, que Bolsonaro tanto diz admirar, se permitiria tamanha submissão a um presidente norte-americano. Os generais da ditadura, supostos modelos de Bolsonaro, não admitiam alinhamento automático com os EUA e jamais rebaixaram os interesses nacionais, muito menos a esse ponto.

Continua após a publicidade

Sob o governo de Jair Bolsonaro, contudo, o Brasil aceitou emprestar seu peso como a maior potência da região para os propósitos pessoais do sr. Trump, sem que ficasse claro o que o País ganharia com isso. Era o que antigamente se chamava de “entreguismo”, mas num nível poucas vezes visto na história: o Brasil governado por Bolsonaro ajoelha-se não diante dos EUA, o que já seria vergonhoso, mas diante de Trump em pessoa, considerado pelo chanceler Ernesto Araújo, em já antológico texto, como o salvador da civilização ocidental.

Ademais, e talvez isso seja o mais importante, o Brasil alinhou-se aos EUA na campanha para promover uma mudança de regime em um país vizinho, o que contraria totalmente não apenas a boa prática diplomática de países civilizados, como também a Constituição brasileira – que determina, em seu artigo 4.º, que as relações internacionais do Brasil devem se pautar pelos princípios da independência nacional, da autodeterminação dos povos, da não intervenção e da solução pacífica dos conflitos.

Nenhum desses princípios foi respeitado pelo governo de Jair Bolsonaro no episódio da visita eleitoreira do secretário de Estado norte-americano. Na ocasião, ladeado pelo chanceler Ernesto Araújo, o secretário Mike Pompeo, depois de falar com imigrantes venezuelanos, qualificou o ditador venezuelano, Nicolás Maduro, de “narcotraficante” e disse que o chavista “destruiu seu país”.

Continua após a publicidade

Em linhas gerais, esses são os pretextos do governo Trump para promover a mudança de regime na Venezuela, objetivo compartilhado pelo governo Bolsonaro, a despeito de violar a Constituição. “Parabenizo o presidente Donald Trump pela determinação de seguir trabalhando junto com o Brasil e outros países para restaurar a democracia na Venezuela”, disse o presidente Bolsonaro a propósito da visita de Mike Pompeo.

A tarefa do Brasil não é “restaurar a democracia” em parte alguma, e sim trabalhar incessantemente para preservar o interesse nacional. Desde sempre nossa diplomacia se pautou pelo cultivo de boas relações com os vizinhos, independentemente do regime de governo de cada um deles. Não é por outro motivo que esse espírito está no texto constitucional.

É evidente que o Brasil deve criticar vizinhos cujos governos violem sistematicamente os direitos humanos de seus governados, como é o caso do regime chavista na Venezuela – duramente denunciado em recente relatório produzido por uma missão da ONU. Mas isso não significa que o País deva embarcar em aventuras golpistas na Venezuela, seja qual for o pretexto, nem muito menos permitir-se servir de palanque da eleição norte-americana, como se aqui fosse uma republiqueta bananeira.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.