Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Noblat Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Coluna
O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Incapaz de ficar em pé

Deus nas últimas décadas tem provado que não é brasileiro.

Por Elton Simões
Atualizado em 30 jul 2020, 19h52 - Publicado em 25 mar 2019, 12h00

Puxam daqui, estica dali, falam de lá, gritam de cá, e tudo continua na mesma. De proposito, provavelmente. Mas na mesma. A coisa é tão feia que até rótulo perdeu a função. Não serve para mais nada. Cores não tem mais. Nem mesmo preto e brando. Tudo parece uma grande zona cinzenta.

Para quem acredita em destino, Deus nas últimas décadas tem provado que não é brasileiro. Ou, se for, faz tempo mora em Miami ou Portugal. Para quem acha que somos responsáveis por escrever o próprio destino, resta o horror do analfabetismo funcional que possivelmente nos impeça de melhorar.

É a vida nos trópicos. Nada muda. Nada se transforma. Apenas esperneamos como insetos presos a uma teia. Teia esta que construímos ou que o destino nos colocou. Mas está ali. E a gente permanece preso a ela. Ainda esperneando. Mas muito cansados. Desiludidos mesmo.

Depois de mais de 500 anos, inventamos todo tipo de rótulo para governo. Monarquia, república, presidencialismo, parlamentarismo. Fizemos de tudo um pouco. E do pouco, nada. Chamamos e testamos (ou dizemos que) todas as formas de governo disponíveis. E jamais conseguimos nos livrar das oligarquias. Na melhor das hipóteses, trocamos ou renovamos oligarquias.

Desde sempre sofremos dos mesmos males. Sabemos as nossas mazelas. Não temos duvidas do que precisa ser feito. Mas não fazemos. Defendemos o sacrifício alheio para a melhoria do todo. Sempre. Sacrifício próprio, nem pensar. Se duvidar, é inconstitucional.

Continua após a publicidade

O país do filhotismo traz o populismo tatuado na pele. E o patrimonialismo carregado na alma. Permanece indefeso e corrupto. Sem instituições que lhe fortaleçam a espinha. Incapaz de ficar em pé. Quase sempre deitado em berço esplendido. E frequentemente de joelhos. 

 

Elton Simões mora no Canadá. É President and Chair of the Board do ADR Institute of BC; e Board Director no ADR Institute of Canada. É árbitro, mediador e diretor não-executivo, formado em direito e administração de empresas, com MBA no INSEAD e Mestrado em Resolução de Conflitos na University of Victoria. E-mail:esimoes@uvic.ca . 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.