Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Noblat Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Coluna
O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

De quarentena e proibido de usar o celular

O grande erro do ex-capitão

Por Ricardo Noblat
Atualizado em 30 jul 2020, 19h05 - Publicado em 19 mar 2020, 09h00

O presidente Jair Bolsonaro mexeu no que é mais sagrado para as pessoas, e com justa razão: a vida. Não foi seu único erro, logo ele que acumula tantos. Mas talvez tenha sido o mais grave, o erro que poderá ao fim e ao cabo abreviar o seu mandato.

Na semana passada, a contragosto, ele se viu forçado a gravar um vídeo sugerindo aos seus devotos que não comparecessem às manifestações do último dia 15 convocadas em defesa do governo e contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal.

Àquela altura, o coronavírus já começara a produzir estragos por aqui. O ministro Luiz Henrique Mandetta, da Saúde, alertara mais de uma vez para o perigo de grandes aglomerações de pessoas em tempos de pandemia. Em tal ambiente, o vírus nada de braçada.

As manifestações murcharam como se viu. Mas o pequeno número de devotos do presidente que passeou pela Esplanada dos Ministérios foi recepcionado pelo próprio Bolsonaro, que tocou em 272 pessoas e se exibiu em gozo diante do Palácio do Planalto.

Mas, como? O presidente que estimulou a manifestação e depois recuou, que voltara dos Estados Unidos na companhia de pessoas que haviam contraído o vírus, era capaz de pôr em risco a vida dos que com ele confraternizavam? Que presidente é esse?

Continua após a publicidade

E tudo para preservar a saúde da Economia. Ele diria mais tarde que se a Economia afundasse, o país afundaria. E que seu governo com isso acabaria também afundando. Diria mais: que o vírus só mata velhinhos, e que velhinhos morrem mesmo sem vírus.

Foi uma avalanche de declarações estúpidas jamais feitas por um presidente mentalmente sadio. Enquanto chefes de Estado de outros países falavam em guerra e tomavam providências, Bolsonaro falava em histeria e abdicava de suas funções.

A construção de uma relação de confiança leva tempo. A desconstrução é rápida. Cristal que racha não cola mais. Bolsonaro apostou só na morte dos velhinhos. Resultado: estrepou-se com os velhinhos, com os filhos deles e com os netos deles.

O melhor para o país seria que Bolsonaro fosse posto de quarentena por 120 dias. E que o proibissem em tal período de usar o celular. Deveria ser vigiado. Uma espécie de prisão domiciliar sem o desconforto de ter que usar tornozeleira.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.