Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Mundialista Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Vilma Gryzinski
Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Os EUA estão na “decadança”?

O declínio da superpotência tem algum fundo de verdade

Por Vilma Gryzinski
16 abr 2023, 08h00

“A sociedade ocidental se suicida dançando”, ironiza o francês Patrick Buisson. Como intelectual conservador, ele é um crítico da modernidade, na qual vê decadência, individualismo e um buraco negro existencial deixados pelo abandono de milênios da estruturação social e moral do cristianismo. A crítica pelo lado esquerdo, ironicamente, quase se encontra com seu oposto ao prever um declínio inexorável do capitalismo e seu arauto, a maior potência da história da humanidade, na qual vê apenas os defeitos e nada da combinação sem precedentes de liberdade e prosperidade. Sob qualquer ponto de vista político, foi impossível não ler algum recado histórico nos acontecimentos das últimas semanas nos Estados Unidos, com americanos entredevorando-se à la terceiro mundo, incapazes de se livrar da “maldição de Donald Trump” — aconteça o que acontecer, falem de mim —, e a impressão de que o ex-presidente está sendo submetido a um processo deturpado. Único assunto a competir: a discussão propelida pela grande fabricante de calçados esportivos que usou o mesmo princípio — cliques, por favor — ao contratar uma mulher trans para promover roupas femininas de ginástica. Um fundo de verdade perpassa o delírio coletivo, com a justa defesa dos transgêneros tendo virado uma seita que exige adesão a princípios como intervenções médicas radicais em crianças.

“A China forma 4,7 milhões de graduados em tecnologia, engenharia e matemática”

Nesse pano de fundo, o acordo anunciado do governo brasileiro e insinuado por Emmanuel Macron de fazer transações comerciais “desdolarizadas” com a China desencadeou alertas sobre o fim do dólar como moeda de reserva — o fim do mundo como o conhecemos desde Bretton Woods. “Os boatos sobre a morte do dólar foram exagerados”, brincou Ian Bremmer, fundador do Eurasia Group. E enumerou os motivos que levam os EUA a manter uma moeda com credibilidade: as maiores forças armadas, as melhores universidades dedicadas à pesquisa, o setor privado mais inovador, abertura ao comércio e ao fluxo de capitais, banco central independente e políticas macroeconômicas sólidas. O que ele não disse: a China forma 4,7 milhões de graduados no conglomerado STEM — ciências da natureza, tecnologia, engenharia e matemática —, contra menos de 500 000 nos EUA. Sem contar que o mundo da ciência está sendo assolado pela mesma doença ocidental da autocrítica alucinada, com acusações de que a matemática, a física e outras áreas são racistas e sexistas. Quanto mais absurda a tese, mais sucesso faz na academia. Até a arqueologia entrou na dança, com a promessa de uma ala “anarquista” de não mais definir o sexo das ossadas antigas, pelo risco de designar erradamente esqueletos que tinham opção de gênero diferente do que os ossos e o DNA nos contam.

É esta a dança da decadência mencionada por Patrick Buisson, inspirado numa música cheia de gemidos de Serge Gainsbourg e Jane Birkin? Enquanto os americanos embriagavam-se de Trump e arqueólogos discutiam a opção de gênero de ossadas, Xi Jinping sapateava sobre as placas tectônicas da geopolítica, cerceava Taiwan e recebia homenagens de visitantes cada vez mais parecidos com vassalos. Tique-taque ou Tik­Tok?

Publicado em VEJA de 19 de abril de 2023, edição nº 2837

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.