Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Mundialista Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Vilma Gryzinski
Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

O único líder árabe a dizer que condena ‘inequivocamente’ o Hamas

O príncipe que exerce o poder de fato no Barein declara o óbvio – mas é um óbvio que nenhum outro em posição similar teve coragem de assumir

Por Vilma Gryzinski
Atualizado em 22 nov 2023, 19h23 - Publicado em 22 nov 2023, 07h36

“Tanto no Islã quanto no judaísmo, a proteção de vidas inocentes é tanto uma obrigação quanto uma responsabilidade moral.”

Com o grande espaço que a iminente liberação, em grupos, de cinquenta reféns tomados pelo Hamas em 7 de outubro, em troca de prisioneiras palestinas em Israel, um discurso do príncipe herdeiro Salman bin Hamad Al Khalifa, que na prática exerce o poder no Barein, ficou para escanteio.

Khalifa falou o que nenhum outro líder árabe teve coragem de explicitar, declarando-se “do lado dos civis e inocentes e não do lado do exibicionismo político. Os ataques de 7 de outubro foram bárbaros, foram horríveis, foram indiscriminados. Mataram mulheres, crianças, idosos”.

“E ainda por cima parece tudo bem pegar reféns e falar nisso como se fosse um ato de guerra. Nós condenamos isso.”

O príncipe do Barein, um pequeno conjunto de ilhas de apenas 720 quilômetros quadrados, mas, como outros vizinhos do Golfo, cheio de gás e petróleo, fez a equivocada equivalência moral entre uma invasão não provocada e a reação de Israel, mas já foi um progresso enorme a condenação ao Hamas.

O Barein é um dos países muçulmanos que normalizou relações com Israel dentro do quadro dos Acordos Abraâmicos por motivos bem pragmáticos: precisa se equilibrar entre uma população de maioria xiita e uma classe dirigente sunita, tem pavor, por isso, à capacidade de desestabilização do Irã e de modo geral concordou que seria melhor para todos aceitar a existência do estado judeu – e fazer bons negócios com isso.

Continua após a publicidade

Khalifa usou o mesmo advérbio, “inequivocamente”, para condenar o contra-ataque israelense. “Ambas as ações levaram à morte de inocentes, ambas são condenáveis, ambas devem acabar e ambas são coisas com as quais devemos lidar com o maior cuidado porque precisamos quebrar o círculo”, disse no discurso de uma conferência internacional sobre segurança que, incrivelmente, foi mantida no quadro de alta volatilidade atual no Oriente Médio.

“As narrativas tóxicas e conflituosas não podem ser mais nossa metodologia.”

Parece óbvio, mas é preciso coragem para dizer isso. A opinião pública nos países árabes está inflamada pela destruição e as perdas humanas em Gaza, apresentadas pela Al Jazira, a televisão mais influente do Oriente Médio, bancada pelo Catar, como se não tivessem conexão com os eventos de monstruosa barbaridade que as provocaram.

Quando o conflito eclodiu, os acordos de normalização de relações assinados em 2020 (além do Barein, entraram neles Emirados Árabes Unidos, Marrocos e Sudão) pareciam condenados, mas estão sobrevivendo.

Praticamente todos os regimes árabes têm horror ao fundamentalismo radical do Hamas e não querem nem pensar em abrir as portas a refugiados de Gaza. Oficialmente, precisam se colocar de maneira oposta para não ficar mal com as “ruas”, a opinião pública que se identifica com os irmãos árabes vivendo dias terríveis.

Continua após a publicidade

O Hamas e seus aliados sabem manipular esse sofrimento – aliás, o consideram “necessário” para seus objetivos finais, entre os quais o principal é a extinção de Israel.

Isso não vai acontecer, daí a tendência de países árabes mais pragmáticos à acomodação e à coexistência – além de uma conta bem alta mandada para os Estados Unidos, principalmente em garantias de segurança. A Arábia Saudita estava para entrar nesse barco, com uma estratégia bem pensada de longo prazo para mudar seu próprio modelo, passando de fornecedor de petróleo para o soft power representando por turismo, alta tecnologia, grandes projetos arquitetônicos e patrocínio de esportes. A família reinante no Barein tem exatamente o mesmo modelo. E um príncipe herdeiro, com todos os infinitos defeitos de sua tribo, disposto a bancar isso.

Num momento em que parece tão difícil, ou até impossível, quebrar o círculo vicioso, é um pequeno indício de esperança.

Khalifa até montou um programa básico que muita gente, inclusive os Estados Unidos, pode apoiar. “Deixem-me ser extremamente claro sobre o que conta para o reino do Barein. Não deve haver um deslocamento forçado de palestinos de Gaza, agora ou nunca. Não deve haver a reocupação de Gaza. Não deve haver uma redução do território de Gaza. Por outro lado, não deve haver terrorismo proveniente de Gaza dirigido contra a população israelense.”

É um começo que, nos bastidores, já está sendo negociado.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.