Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Mundialista Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Vilma Gryzinski
Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

O fenômeno Geert Wilders: até a Holanda não aguenta mais imigração

Político de direita conhecido pelos cabelos tingidos de loiro e horror ao Islã mais do que dobrou lugares no Parlamento e pode chefiar governo

Por Vilma Gryzinski
24 nov 2023, 07h02

Geert Wilders está há mais de vinte anos na política e sempre apareceu mais pelos discursos ferinos e a oxigenada cabeleira do que pela performance eleitoral. O que aconteceu que seu Partido da Liberdade, de repente, mais do que dobrou o número de parlamentares, elegendo 37 representantes, o que o torna o mais votado e apto a tentar uma coalizão – nada garantida – para formar o novo governo?

Até ele não sabe responder. “Ainda estou me beliscando”, disse sobre o resultado sem precedentes. Também se beliscando, mas no sentido contrário, deveria estar Mark Rutte, primeiro-ministro durante treze anos cujo estilo “conservador tão discreto que não dá para perceber” levou uma surra das urnas, caindo para o terceiro lugar. Não é uma forma gloriosa de sair da política, como pretende.

Depois da surpresa, correria atrás de explicações. A mais evidente é a mesma de muitos outros países europeus: os civilizados, ricos e tolerantes holandeses – 58 mil dólares de renda per capita – não aguentam mais a imigração em massa. É o mesmo problema de todos os países europeus e pode explodir de maneira inesperada, seja democraticamente, como na eleição na Holanda, seja descontroladamente como aconteceu ontem na Irlanda, com surto de violência e saques depois de correr que um argelino havia esfaqueado três crianças e uma professora em frente a uma escola.

Mas o problema não tem nada de novo e Rutte estava promovendo várias restrições ao sistema de pedidos de asilo, nada muito impressionante, mas na direção que a maioria da opinião pública deseja.

Escrevendo na Spectator, o comentarista Freddie Gray levantou até outra possibilidade: pesaram a eclosão do conflito entre Israel e o Hamas em Gaza e as manifestações de rua que exaltavam o grupo terrorista.

Como argumento, ele lembra que em 6 de outubro, o PVV, como o partido de Wilders é conhecido, tinha apenas 12% das preferências. “É cedo para dizer com certeza se esses protestos provocaram uma reação raivosa nas urnas e propeliram à vitoria um dos políticos mais explicitamente contra o Islã da Europa. Mas a coincidência parece evidente demais para ser ignorada”, especulou.

Continua após a publicidade

Wilders realmente pode ser qualificado como anti-Islã, que chama de ”ideologia de uma cultura atrasada”.

“Eu não odeio os muçulmanos, odeio o Islã”, costuma dizer.

Não é difícil imaginar os resultados. Desde 2004, ele vive sob proteção policial tão cerrada que só vê duas vezes por semana a própria mulher, Kristina Márfai, ex-diplomata húngara – aliás, muitas posições antiimigração de Wilders se coadunam com as de Victor Orbán, embora o primeiro-ministro da Hungria pegue mais leve e seja menos emocional que o holandês.

Wilders também quer um plebiscito para decidir se o país continua na União Europeia. “É o pior pesadelo da UE”, escreveu o Politico.

As pesquisas indicam que o voto pela permanência ganharia. Mas vá se saber o que os eleitores holandeses estão planejando em segredo?

Continua após a publicidade

Eles já pregaram um susto danado no establishment com a votação de um partido formado do nada por produtores rurais, revoltados com as medidas do governo para forçá-los a reduzir a pecuária e assim diminuir as emissões de gases condenados pelos padrões da UE. Agora, vieram com essa guinada em relação a um político que parecia ter virado parte da paisagem, tendo esgotado o fator choque há muito tempo (não para os fanáticos, obviamente: um jogador de críquete paquistanês ofereceu 20 mil euros a quem assassinasse o político holandês).

Hoje na Holanda, 21% da população é formada por imigrantes ou seus filhos, geralmente provenientes do norte da África ou do Oriente Médio. Incluem-se nessa fatia casos de sucesso como o de Dilan Yesilgoz. Nascida na Turquia, foi pequena para a Holanda, onde começou a carreira política na esquerda e caminhou para a centro-direita, tornando-se a substituta de Mark Rutte na liderança do Partido Popular pela Liberdade e a Democracia.

No começo da campanha eleitoral que culminou na inesperada vitória de Wilders, ela indicou que poderia se inclinar por uma coalizão com o PVV. Wilder também amenizou o discurso, parou de falar em proibir mesquitas e poderia até desistir do plebiscito sobre a União Europeia.

Não seria incrível ver uma coalizão liderada por uma política de origem turca e um opositor radical do Islã, sendo moderado pelas realidades de administrar um país? E se ele, em vez de loucuras, fizesse um governo sensato como o de Giorgia Meloni, eleita em circunstâncias similares, na Itália?

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.