Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Modo Avião Por Tatiana Cunha As dicas certeiras de turismo e os lugares incríveis do planeta para você planejar sua próxima viagem

5 destinos para evitar em 2017

Reformas em monumentos históricos, instabilidade política ou até excesso de turistas são motivos para você fugir destes lugares no ano que começa

Por Tatiana Cunha Atualizado em 30 jul 2020, 21h04 - Publicado em 2 jan 2017, 16h53

Big Ben, Londres

Feliz 2017!

Não sei vocês, mas o ano mal começou e eu já estou empolgadíssima e cheia de planos para fazer muitas viagens nos próximos 363 dias.

Claro que não sei se vou conseguir realizar todos, mas, como disse no último post, o importante é viajar, mesmo que seja no papel. Uma hora a gente consegue colocar nossos planos em prática.

Com tantos lugares incríveis no mundo para conhecermos e explorarmos, as opções para quem quer viajar neste ano que acaba de começar são intermináveis. Eu podia fazer cinco mil listas aqui com sugestões para todos os gostos e bolsos. Para quem gosta de praia ou cidade. Luxo ou aventura. Calor ou frio.

Mas vou fazer diferente. Não só porque gosto de ser do contra de vez em quando, mas também para ajudar vocês a evitar perrengues e decepções em 2017.

Aí vai minha lista com cinco lugares para se evitar neste ano novo…

1. Londres

Big Ben

Calma, calma, muita calma nesta hora! Não comecem a me xingar ainda… Não vou dizer aqui que Londres é feia, que o tempo por lá é uma porcaria (apesar de muitas vezes ser mesmo e a foto aí de cima não me deixar mentir ) ou que tudo é muito caro. Londres é demais. Mas, se você não sabe, o Big Ben passará por uma grande reforma, que começa agora, no início do ano e que vai durar três anos. Além de fazer algumas adequações de segurança ao prédio, o mecanismo do relógio mais famoso do mundo precisa de ajustes, daí as obras. A torre que todo mundo gosta de fotografar () será envolvida por andaimes até que os trabalhos sejam concluídos. Ou seja, nada de selfie no Big Ben por um bom tempo. Ah, para quem quiser saber tudo sobre a reforma, claro que os ingleses fizeram uma página só para detalhar tim tim por tim tim. Só clicar aqui.

Continua após a publicidade

2. Venezuela

Venezuela (1)

Vizinha do Brasil e de geografia bastante variada, a Venezuela poderia ser um ótimo _e econômico_ destino para nós brasileiros nas próximas férias. Banhada pelo belíssimo mar do Caribe e dona de praias famosas, como a Isla Margarita, que fica a pouco mais de meia hora de voo de Caracas, ou então Los Roques, excelente para mergulho, a Venezuela tem várias opções para os turistas. Mas… se você acompanha o noticiário internacional sabe que a crise econômica e financeira que atinge o país só tem piorado e recentemente o presidente Nicolás Maduro fechou a fronteira com o Brasil. O Departamento de Estado dos EUA emitiu alerta para seus cidadãos que não viagem ao país por conta da alta taxa de crimes, revoltas sociais e falta de medicamentos. Ou seja, melhor buscar outra opção.

3. Islândia

Lagoa Azul, em Grindavik, na Islândia

É com dor no coração que coloco a Islândia nesta lista… Mas a verdade é que o país, desconhecido de muitos até pouco tempo atrás, acabou virando o “destino cool” do mundo inteiro, especialmente depois de ter entrado no “mapa do futebol” durante a Eurocopa. Ou seja: mais filas, acomodações mais caras e a conclusão de que o país simplesmente não está preparado para receber tantos visitantes assim. Para se ter uma ideia, o número de turistas americanos que visitaram a Islândia até setembro de 2016 foi praticamente o número de habitantes do país: 325.522 visitantes contra 332.000 islandeses, de acordo com números oficiais. Tem mais. Segundo estes dados, a Islândia recebeu (também até setembro) 1.353.000 turistas em 2016. Há apenas seis anos o número de visitantes foi de 459.000. E em 1996 foram apenas 200.000 turistas. Em uma pesquisa recente, 87% dos habitantes sugere aumentar os impostos para frear a invasão turística. É…

4. Nova Delhi

Paisagem esfumaçada de Nova Delhi, onde metade da frota é movida a diesel

A gente sempre ouviu falar que a poluição na Índia era um problema. No ano que passou, porém, ela atingiu um novo patamar em Nova Delhi. Uma nuvem de fumaça tóxica tomou conta da cidade, escolas foram fechadas, construções foram interrompidas, e os níveis de poluição bateram recordes. Queimadas, poluentes liberados por veículos e fábricas e a queda nas temperaturas no final do ano ajudaram a piorar a qualidade do ar, que já é considerada a pior do mundo. Lembro que quando fui para lá da última vez, há três anos, resolvi correr um dia… péssima ideia. Mal conseguia respirar. Como não há planos para resolver o problema a curto prazo, melhor buscar ar puro em outra região.

5. Dubai

Dubai

Tá, já falei por aqui que não morro de amores por Dubai. E insisto que é um lugar que não me agrada. Muito artificial, supervalorizado e a cidade parece um grande canteiro de obras. Não só pela terra e areia (ok, eu sei que está no deserto), mas pelos andaimes espalhados por todos os cantos. E, adivinha só?! Isso só vai piorar a partir de agora. Dubai vai receber a Expo 2020. E, como dinheiro por lá não é um problema, eles querem assombrar o mundo com construções ainda mais megalomaníacas, um novo sistema de transporte, entre outras novidades. Será a primeira vez que um país da região irá receber a Expo, então eles não querem deixar por menos. Além das obras, espera-se que a Feira Mundial acabe forçando o aumento dos preços não apenas dos imóveis, mas também do custo de vida de uma maneira geral. Eu que já não gostava antes…

E você, pretende evitar algum destino neste ano?

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)