Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O vídeo que pôs Bruno Pereira e outros servidores como inimigos do governo

Indigenista assassinado na Amazônia lutou contra o garimpo ilegal. Colega do Ibama Roberto Cabral também é perseguido pelo bolsonarismo

Por Matheus Leitão Atualizado em 13 jul 2022, 12h28 - Publicado em 25 jun 2022, 12h00

Um vídeo inédito (assista abaixo) mostra a operação que colocou Bruno Pereira na lista de inimigos do governo Bolsonaro.

Na imagem, é possível ver balsas usadas pelo garimpo ilegal sendo incendiadas. Logo após essa operação – realizada em 2019 e que terminou com 60 “barcos piratas” queimados – Bruno Pereira foi exonerado do cargo de coordenador-geral de índios isolados e de recente contato da Funai.

Um recado mais que claro de que a atual gestão não concordava com o combate ao crime organizado na região amazônica. Segundo apurou a coluna, o vídeo circulou entre integrantes do Executivo e foi mal visto. Nesta sexta, 24, como revelou este espaço, Barroso afirmou que o governo Bolsonaro levou a área ambiental ao “colapso” e ao “retrocesso”.

Desde aquele dia, portanto, Bruno Pereira, que coordenou essa operação contra o garimpo no Vale do Javari, passou a trabalhar sem apoio do Estado na luta contra crimes em terras indígenas. Além de Bruno, outros servidores foram jogados “para escanteio” após a operação.

Continua após a publicidade

Um deles é Roberto Cabral Borges, analista ambiental do Ibama que atuou como coordenador de operações do órgão e perdeu seu cargo, coincidentemente, após a operação contra as balsas. E não só por isso: depois de manifestar opiniões contrárias às do presidente Jair Bolsonaro.

Em conversa com servidores do Ibama, a coluna apurou que Roberto Cabral não aceitou orientações de aliados do governo e continuou emitindo multas em ações irregulares. Por causa dessa postura, foi sendo colocado de lado no órgão, perdendo inclusive, como Bruno Pereira, o posto de coordenador em um órgão federal.

Recentemente, Roberto Cabral participou de ato realizado em frente à Funai e enalteceu o trabalho de Bruno Pereira na proteção dos povos indígenas. “Ele realmente trabalhava, ele realmente militava para que a terra indígena fosse protegida”, disse o analista ambiental.

O servidor agora é pré-candidato a deputado pela Rede no Distrito Federal, defendendo a valorização dos povos originários e a proteção do meio ambiente.

Já Bruno Pereira entrou para a história como o maior indigenista do Brasil – depois de ser brutalmente assassinado ao lado de Dom Philips na Amazônia. O ex-servidor da Funai é um defensor dos indígenas no Vale do Javari, onde as balsas foram destruídas, e não se intimidou sob um governo que ignora a cultura do país.

Junto com Bruno, centenas de servidores ainda lutam para garantir que os indígenas e a Amazônia sejam protegidos – mesmo com uma oposição forte de quem tem a máquina pública na mão.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)