Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Exclusivo: Bruno Pereira fez denúncia sobre região onde morreu; Ouça

A coluna tem conversas gravadas com o indigenista: “Imagine para onde isso está caminhando... Os caras vão implodir aquela frente de proteção”, disse

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 16 jun 2022, 12h09 - Publicado em 15 jun 2022, 17h08

O indigenista Bruno Pereira enxergava a gravidade da situação no Vale do Javari, na Amazônia, onde foi assassinado ao lado do jornalista Dom Phillips. Ele deixou isso claro, alguns meses atrás, quando ocorreu a troca do coordenador da Frente de Proteção Etnoambiental (FPE) na região com mais índios isolados do planeta Terra.

É o que revela uma conversa inédita dele com a coluna.

Nesse trecho, Bruno Pereira mostra a sua preocupação com a violência de pescadores ilegais, desmatadores e outros criminosos contra a Coordenação da Frente de Proteção Etnoambiental, uma das bases responsáveis por executar as ações da área de Índios Isolados e de Recente Contato (CGIIRC) da Funai.

Bruno Pereira achava que deveria ser perguntada à Funai e à Força Nacional a razão de eles não estarem protegendo a FPE, no Vale do Javari, vítima de diversos ataques de criminosos nos últimos anos, como já demonstrado neste espaço. 

O diálogo também é revelador dos malfeitos da ala ideológica de um governo que pretende a todo momento aparelhar o Estado com nomeações políticas para cargos técnicos, mesmo com a escalada da violência em terras indígenas.

Continua após a publicidade

No caso da Funai, o mais grave é o aparelhamento dos postos-chave por evangélicos, ruralistas e militares, três bases importantes de apoio para a eleição de Jair Bolsonaro em 2018.

O indigenista afirma, após o novo coordenador da Frente de Proteção Etnoambiental do Vale do Javari tomar posse, que os criminosos iam “implodir” a base da Funai, à medida que o governo Bolsonaro atuava para tirar servidores de carreira, capacitados, dos postos-chave da Fundação.

[É preciso ver] com a Força Nacional o porquê deles não terem ido à campo e à própria Funai, entendeu? Ele nem abriu a caixa eletrônica do SEI. Tem 15 dias que ele está lá. 14 dias. Velho, o SEI é a alma da gestão pública, né, Matheus? Ou seja: imagine para onde isso está caminhando… Os caras vão implodir aquela frente de proteção.”

Continua após a publicidade

Saiba o que é SEI ao final da reportagem.

Bruno Pereira continuou: “O primeiro passo vai ser esse: a Força Nacional não vai proteger a base, depois não vai conseguir trocar a equipe. Tem uma equipe que está lá naquele acampamento de contato, Matheus, no Coari, que a gente fez a expedição no ano passado. Lembra? Você deu aí também a expedição. Tem uma equipe de dez pessoas lá dentro. Se ele não se garantir, ele não troca essa equipe, não paga, sabe? Não bota gasolina, acampamento”.

GRAVAÇÕES

Continua após a publicidade

A coluna tem conversas gravadas com o indigenista Bruno Pereira sobre a situação de risco no Vale do Javari e os muitos erros e as diversas perseguições que aconteceram nos últimos anos na Fundação Nacional do Índio.

Os diálogos ocorreram a meu pedido e são o resultado da relação de confiança estabelecida entre um jornalista e uma fonte que, por vários anos, trocaram informações, principalmente durante o governo Jair Bolsonaro, quando a crise da Funai se agravou.

A coluna trará trechos neste espaço porque os alertas do Bruno elucidam o ambiente de crime que este governo permitiu que se espalhasse pela Amazônia, e também são uma radiografia do cotidiano desse desmonte institucional da Fundação. 

Na época em que conversamos era para a não divulgação da fonte, mas agora a voz do Bruno é ainda mais importante para elucidar os graves fatos na região amazônica – mais especificamente no Vale do Javari, dominado por criminosos.

Continua após a publicidade

Trata também do custo para os país do desmantelamento da Funai no atual governo, com a ausência do Estado e, agora, a crueldade cometida contra o indigenista e o jornalista. 

Por isso, esta coluna não deixará que as denúncias de Bruno Pereira morram com ele.

O QUE É O SEI

O Sistema Eletrônico de Informações (SEI), citado por Bruno Pereira no diálogo, é uma plataforma de produção e gestão de documentos e processos eletrônicos desenvolvido pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) e cedido gratuitamente à administração pública.

Continua após a publicidade

O sistema é responsável por uma pequena melhora no desempenho dos processos públicos, com ganhos em agilidade, produtividade e redução de custos.

Utilizado também pela Funai, o SEI engloba um conjunto de módulos e funcionalidades, tendo como principais características a libertação do paradigma do papel como suporte físico para documentos institucionais e o compartilhamento do conhecimento com atualização e comunicação de novos eventos em tempo real.

Dada sua importância para gestão, é esperado que indicados para assumir cargos públicos saibam operar o SEI, sistema pelo qual são tramitados os documentos importantes para a execução de suas atividades, hoje fundamental para o andamento do trabalho – ainda mais em áreas remotas como a da Frente de Proteção Etnoambiental do Vale do Javari.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.