Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

As cinco vitórias e duas derrotas de Marina Silva 

Ministra do Meio Ambiente continua a trazer bons frutos à política ambiental brasileira, mas sofre com ataques de setores do Congresso Nacional

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 29 nov 2023, 14h30 - Publicado em 29 nov 2023, 14h28

Marina Silva está colecionando vitórias desde que voltou para o Ministério do Meio Ambiente e passou novamente a compor o primeiro escalão de um governo Lula.

Logo de início, relançou o PPCDAM – o plano de combate ao desmatamento da Amazônia desativado por Jair Bolsonaro – e ressuscitou o fundo da Amazônia, recebendo aportes internacionais. São dois programas que marcaram sua gestão nos primeiros governos Lula e que deixaram um legado importante.

Com essas medidas e arrochos na fiscalização, conseguiu reduzir a taxa de desmatamento na Amazônia em 22% neste ano de 2023, segundo estimativa do PRODES, sistema do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

A estatística anual de desmatamento, pelo PRODES, mede o que ocorre de agosto de um ano e julho do ano seguinte. Isso significa que esse primeiro número de Lula está misturados com o ano de 2022. Carrega a alta de desmatamento, entre agosto e dezembro de 2022.

Quando os dados são apenas os deste ano, com Marina Silva à frente do ministério, a queda no desmatamento é de 50% nos dez primeiros meses.

Continua após a publicidade

DESMATAMENTO NA MATA ATLÂNTICA EM QUEDA

Nesta quarta-feira, 29, o novo boletim do Sistema de Alertas de Desmatamento (SAD) da Mata Atlântica divulgou que o desmatamento no bioma caiu 59%.

A área de Mata Atlântica derrubada entre janeiro e agosto de 2023, em todo o Brasil, foi de 9.216 hectares. No mesmo período do ano passado a destruição chegou a 22.240 hectares.

Isso tem a ver também com o esforço de Marina para que o presidente Lula vetasse uma lei aprovada no final do governo Bolsonaro, e que aumentava a possibilidade de desmatamento na Mata Atlântica.

Nesta terça, 28, a ministra do Meio Ambiente lançou o PPCerrado, que é um plano estruturado do qual participaram 19 ministérios, e que vai tentar, inspirado no PPCDAm, combater o desmatamento nesse outro bioma.

Continua após a publicidade

AS DERROTAS DE MARINA SILVA

No Cerrado, contudo, Marina Silva ainda não obteve sucesso que tem conseguido na Amazônia e na Mata Atlântica. Houve o desmatamento de 11.000 km2, um aumento de 3% no desmatamento em 2023. Aqui também tem o último semestre do governo passado e o primeiro semestre do atual governo.

A ministra anunciou o dado antes da COP para exatamente, segundo ela explicou, ter o máximo de transparência, mesmo quando o dado for ruim para a sua gestão.

Mas essa não foi a única derrota. A ministra ainda perdeu parte das funções do seu ministério com a aprovação da medida provisória da reestruturação do governo.

O mais importante foi o CAR, Cadastro Ambiental Rural, levado para o Ministério da Gestão, que não tem nada a ver com essa pauta. Fizeram apenas para tirar de Marina, que continua trazendo bons frutos à política ambiental brasileira.

Continua após a publicidade

PS – Um gosto amargo nessa reta final da preparação da ida para a COP, onde ela chefiará a delegação brasileira, é a aprovação do PL do Veneno que cria mais facilidades para aprovação de agrotóxicos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.