Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

A primeira bola fora de Lula no segundo turno com Bolsonaro

Entenda

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 14 out 2022, 11h10 - Publicado em 3 out 2022, 16h03

Vitorioso no primeiro turno com 57 milhões de votos e 48% dos eleitores, Lula adora uma metáfora futebolística. Quando era presidente, entre os anos de 2003 e 2010, vivia mantendo uma retórica populista através de comparações sobre o Corinthians, o Flamengo e outros times de grandes torcidas. Era a forma de falar com o público.

Pois bem.

Foi à velha estratégia que o petista recorreu ao tomar o susto que o bolsonarismo deu na esquerda brasileira no primeiro turno das Eleições de 2022.

Lula já havia usado o expediente futebolístico no Jornal Nacional para explicar porque inventou o “nós e eles”. Mas, agora, ao ver o resultado das urnas, disse: “Eu quero dizer para vocês que nós vamos ganhar essas eleições. Isso para nós é apenas uma prorrogação”.

O petista acertou no tom, demonstrando otimismo para a militância petista, mas dourou a pílula em relação ao risco da derrota, minimizando a complexidade do “extratime” que o país viverá entre o petismo e o bolsonarismo até o dia 30 deste mês.

Continua após a publicidade

Repito: nunca um candidato que chegou atrás no primeiro turno conseguiu virar a eleição no período do segundo turno, numa disputa presidencial.

Mas o país viu – neste domingo, 2, – a maior reformulação de forças desde a redemocratização, e o curioso é que ela remete ao tempo político do bipartidarismo da ditadura militar.

Mesmo que, agora, a legenda de oposição, o PT, seja verdadeira e não de fachada, o PSDB, por exemplo, virou um capítulo que faz parte da história, sendo substituído por uma força de extrema-direita que, em alguns anos, se juntará provavelmente sob uma nova legenda.

Bolsonaro tem a estrondosa vitória do ex-ministro Tarcísio de Freitas (Republicanos) – que deixou Fernando Haddad (PT), e principalmente Rodrigo Garcia (PSDB), para trás e vai ao segundo turno contra o petista – para comemorar. Mas não só ela.

Continua após a publicidade

Viu seus radicais – os mais radicais de plantão -, como Ricardo Salles, Damares Alves, Bia Kicis, Eduardo Pazzuello, Marcos Pontes e o próprio filho zero 2 Eduardo Bolsonaro, serem varridos para dentro do Congresso. São agora a maior bancada na Câmara.

O partido do presidente também irá comandar a maior bancada do Senado, tendo ajuda extra de ex-aliados que romperam com o líder da extrema-direita, mas que se reaproximaram do bolsonarismo na hora em que eleição foi se aproximando, como Sérgio Moro.

Diante desse quadro em que ideias como o estado laico e a terra plana são questionadas não só por um governo de um presidente incidental, mas pelas urnas, há um árduo caminho pela frente.

E diante da vitória de expoentes de uma direita orgulhosa de ser negacionista – e que ainda está com a máquina pública na mão -, Lula sabe o que está em andamento: a tal prorrogação pode acabar na disputa dos pênaltis, voto a voto, onde mais vale a sorte do que o plano de jogo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.