Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

A nova vergonha de um general brasileiro ao lado de Bolsonaro

Entenda

Por Matheus Leitão Atualizado em 12 Maio 2022, 16h41 - Publicado em 12 Maio 2022, 15h23

O ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, general da ativa do Exército, envergonhou as Forças Armadas nesta quarta, 11, ao participar de um ato político – a 48ª Edição da Expoingá, em Maringá – ao lado do presidente, Jair Bolsonaro. Isso porque, ele, o presidente, mais uma vez tentou ferir a democracia brasileira.

A exposição é tradicional – uma feira agropecuária, industrial e comercial no interior do Paraná, a 460 quilômetros de Curitiba – e não tem nada com isso. Mas Bolsonaro, no seu ideário de vida golpista, transformou o evento num ato contra outros poderes – no caso, a Justiça Eleitoral.

“Somente os ditadores temem o povo armado. Eu quero que todo cidadão de bem possua sua arma de fogo para resistir, se for o caso, à tentação de um ditador de plantão”, afirmou o presidente, antes de colocar em dúvida novamente a idoneidade do sistema eleitoral, dizendo que “sabe o que está em jogo” e que seu governo não aceita provocações.

Estamos nos acostumando como país a ouvir os impropérios do presidente contra o estado de direito, mas não podemos aceitar que o ministro da Defesa – um general do Exército da ativa – participe de um evento que virou uma mancha na democracia.

O presidente afirmou não temer o resultado de “eleições limpas”. “Nós queremos eleições transparentes, com a grande maioria, ou diria a totalidade do seu povo”, disse, como se o sistema eleitoral, a Justiça e as urnas fizessem parte de um complô para tirá-lo do poder – complô esse que a imprensa, segundo ele, também faz parte.

Bolsonaro sabia da importância e do significado de estar com um general da ativa ao seu lado: “Tenho presente comigo o atual ministro da Defesa, general Paulo Sérgio, e o meu último ministro da Defesa, o general Braga Netto, que bem sabem a importância que uma nação bem armada é uma forma de evitar qualquer interesse externo sobre a sua pátria”.

O presidente também fez questão de dizer que essas armas que ele tanto defende nas mãos de civis poderiam ajudar o Exército, a Marinha e a Aeronáutica a lutar contra o comunismo. O papo parece ser de um lunático, mas não é. Trata-se de uma estratégia política baixa usada pela extrema-direita ao redor do mundo.

O problema já extrapolou o governo do atual presidente extremista e chegou na caserna, mais precisamente nos quartéis. Isso, à medida que os generais da mais alta patente se deixam usar politicamente desta forma, manchando a imagem de instituições de Estado que, desde 1985, ao final da ditadura militar, se afastaram corretamente da política partidária.

Outros generais já se deixaram usar assim, como Eduardo Pazuello, Luiz Eduardo Ramos e Fernando Azevedo e Silva. Contei na coluna há quase dois anos. Agora, a vergonha está com Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, o novo general que se deixa pintar, usando as Forças Armadas brasileiras, por um lado político da polarização que divide o país.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês