Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

O afago de Gleisi em Marta Suplicy em ato de refiliação ao PT

'Você pode ter saído do PT por um tempo, mas o PT não saiu da sua imagem', disse a cacique petista, que ainda elogiou gestão da correligionária em São Paulo

Por Laísa Dall'Agnol Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 10h41 - Publicado em 2 fev 2024, 20h05

De volta ao Partido dos Trabalhadores, Marta Suplicy ganhou um afago da presidente nacional da sigla, Gleisi Hoffmann, durante o evento de refiliação da ex-prefeita, que acontece nesta sexta-feira, 2, em São Paulo.

“Hoje, esse partido recebe a sua ex-prefeita de volta. Recebe Marta Suplicy. Seja bem-vinda, Marta, ao PT, ao seu partido. Você pode ter saído do PT por um tempo, mas eu quero dizer que o PT não saiu da sua imagem”, disse Gleisi. “As pessoas te veem e ainda falam: ‘Dona Marta do PT’. E o governo que você fez em São Paulo, as marcas que você deixou, são dos programas do PT. Elas evidenciam o compromisso que você teve. A sua gestão foi uma das que mais fez pela periferia, pelo povo pobre, pelos trabalhadores”, emendou a cacique, citando iniciativas como o Bilhete Único, os CEUs (Centros Educacionais Unificados) e as moradias populares, sob fortes aplausos da plateia.

Participam do evento o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que mais cedo cumpriu uma maratona de agendas em Santos e em São Bernardo do Campo, o pré-candidato à Prefeitura de São Paulo, Guilherme Boulos (PSOL), de quem Marta deverá ser vice, e ministros como Fernando Haddad (Fazenda), Luiz Marinho (Trabalho), Marcio Macedo (Secretaria-Geral da Presidência) e Alexandre Padilha (Relações Institucionais). O vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB), que esteve ao lado de Lula ao longo do dia, não participou do ato — isso porque seu partido, o PSB, deverá lançar Tábata Amaral como “rival” de Boulos à prefeitura.

Gleisi ainda afirmou que a disputa à capital paulista é a “principal do país”, por suas dimensões econômica e política, e disse que “ganhar em São Paulo é ganhar também no Brasil”.

Continua após a publicidade

Polarização

A presidente nacional do PT ainda mencionou o que classificou como “projeto de retrocesso da extrema-direita” para São Paulo e para o Brasil, e rechaçou as críticas que o partido recebe de ser agente ativo na polarização do país com o bolsonarismo.

“Se não enfrentarmos, eles vencerão. Cabe a esse campo, junto com forças progressistas, não deixar a extrema-direita voltar. Esse é o compromisso histórico nosso, porque sabemos como a extrema-direita governa. Aliás, sabemos o que foi o 8 de janeiro, o aparelhamento da Abin. Essa gente não pode voltar”, declarou.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.