Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Guedes pede ao STF para não falar à PF em inquérito sobre Renan Calheiros

Defesa do ministro da Economia afirma que ele não tem relação com fatos investigados, supostas fraudes no Postalis, e que a PF não diz motivo da oitiva

Por João Pedroso de Campos Atualizado em 12 Maio 2022, 17h53 - Publicado em 12 Maio 2022, 16h56

O ministro da Economia, Paulo Guedes, ficou surpreso quando recebeu um ofício da Polícia Federal em meados de abril pedindo que ele prestasse depoimento no âmbito de um inquérito que investiga o senador Renan Calheiros (MDB-AL), em tramitação no Supremo Tribunal Federal (STF). A apuração mira supostas fraudes no fundo de pensão dos Correios, o Postalis, entre 2010 e 2016. Sem informações da PF sobre o motivo de ouvi-lo, Guedes pediu ao ministro Luís Roberto Barroso nesta quinta-feira, 12, que seja dispensado de falar aos investigadores na data combinada, 1º de maio. O depoimento seria colhido na condição de “declarante” e não de investigado.

O ofício da PF a Guedes foi recebido pelo ministro em 19 de abril e o depoimento, marcado inicialmente para o dia 5 de maio. A oitiva acabou sendo adiada para 1º de junho diante de um diagnóstico de Covid-19 do ministro. Guedes chegou a ser investigado na Operação Greenfield por suspeitas de fraudes em aportes de fundos de pensão estatais em fundos de investimento criados por uma empresa ligada a ele, mas as apurações foram encerradas em 2020 por ordem do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1).

Diante da intimação, os defensores de Paulo Guedes analisaram o inquérito contra Renan. A conclusão dos advogados Ticiano Figueiredo, Pedro Ivo Velloso, Francisco Agosti e Marcelo Neves, apresentada a Barroso, é a de que Guedes “não tem qualquer relação com o objeto da investigação”. Evidência disso, sustentam os advogados, seria o fato de que Guedes não é citado em “nenhuma página dos autos”. Os defensores ainda foram à sede da PF em busca de informações sobre os motivos do depoimento, sem sucesso.

A petição alega que o ministro foi intimado a depor “sobre fatos que desconhece, sem saber também qual o motivo de sua convocação” e diz haver “estranheza” no fato de a intimação ter sido expedida por iniciativa da própria PF, sem pedido do Ministério Público Federal nos autos do inquérito. A manifestação também cita o Código de Processo Penal, na previsão de que ministros de Estado “serão inquiridos em local, dia e hora previamente ajustados entre eles e o juiz”.

“Não há como se determinar que o peticionário preste um depoimento presencial perante a Polícia Federal às cegas, sem que lhe seja esclarecido sequer o motivo pelo qual a sua intimação foi requerida”, dizem os advogados. O pedido a Barroso ainda sustenta que a intimação, ainda que na qualidade de “não investigado”, “causa constrangimento” por se tratar de “pessoa da alta administração pública”.

A defesa de Paulo Guedes quer a dispensa dele de comparecer e que um ofício seja enviado à PF para que a corporação esclareça a necessidade do depoimento dele.

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês