Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Greve em SP deve acabar no fim do dia, dizem sindicatos

Previsão é que serviços de metrô e trem voltem a operar totalmente na quarta-feira 29

Por Da Redação
Atualizado em 28 nov 2023, 18h00 - Publicado em 28 nov 2023, 14h37

A greve dos trabalhadores do Metrô de São Paulo, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e da Sabesp deve terminar ao final desta terça-feira, 28. Em entrevista conjunta dos representantes sindicais, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente (Sintaema), José Antonio Faggian, informou que a previsão é que todos os serviços voltem a operar normalmente na quarta-feira, 29, após 24 horas de movimentação.

Desde o início desta terça, quatro linhas do Metrô e cinco da CPTM tiveram o funcionamento alterado por conta da paralisação, que foi deflagrada em protesto ao plano de privatizações do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos). Em entrevista na manhã de hoje, ele declarou que as paralisações não vão impedir a agenda de desestatizações, acrescentando que “não tem o que ser negociado” com os grevistas.

“A operação (de privatização) da Sabesp vai acontecer no ano que vem e vai ser um grande sucesso”, afirmou o governador. Nesta terça-feira, às 15h, as entidades sindicais planejam uma manifestação em frente à Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), onde tramita o projeto do Executivo.

Segundo a presidente do Sindicato dos Metroviários, Camila Lisboa (PSOL), a categoria chegou a propor ao governo estadual o cancelamento da greve em troca da liberação das catracas, mas o Executivo rejeitou a sugestão, justificando que a medida traria preocupações com a segurança e sobrecarga no transporte público.

A Justiça determinou que 80% dos serviços do Metrô deveriam funcionar nos horários de pico, das 6h às 9h e das 16h às 19h. No caso da CPTM, 85% dos trabalhadores precisariam estar atuando das 4h às 10h e das 16h às 21h. O governador disse na manhã de hoje que a decisão judicial não estava sendo cumprida pelos metroviários e que haveria punições, mas não especificou quais seriam as medidas tomadas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.