Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Fux é sorteado relator de habeas corpus de Robinho no Supremo

Ex-atleta condenado por estupro terá que cumprir pena no Brasil, segundo o STJ; objetivo do pedido no STF é impedir prisão

Por Isabella Alonso Panho Atualizado em 9 Maio 2024, 11h10 - Publicado em 21 mar 2024, 11h57

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux foi sorteado nesta quinta-feira, 21, para ser o relator do habeas corpus que o ex-jogador da seleção brasileira Robinho apresentou à Corte, na noite de quarta, 20.

Condenado por participar de um estupro coletivo na Itália, o ex-atleta, por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), terá que cumprir a condenação no país. O objetivo da ação no STF é impedir que ele tenha que ir imediatamente para a prisão.

Os advogados que defendem Robinho argumentam que a ordem do STJ para que o ex-atleta seja preso, já para cumprir a sentença proferida na Itália, fere precedentes do Supremo e a necessidade de se aguardar o fim de todos os prazos de recurso na Justiça brasileira.

Isso porque um dos argumentos usados pela defesa no habeas corpus é a possibilidade de o STF rever a decisão do STJ desta quarta, inocentando o jogador. “A pretensão apresentada pelo Estado italiano, de que seja homologada decisão condenatória penal para que seja executada no Brasil pena estabelecida no estrangeiro, coloca-se em chapada contrariedade à Constituição da República”, argumenta a defesa do ex-atleta.

Continua após a publicidade

O pedido direcionado a Fux também afirma que a liberdade do jogador não oferece risco à sociedade. “No caso em questão, o paciente aguardou em liberdade todo o processo de homologação e nunca representou um risco à aplicação da legislação pátria, portanto, sua liberdade é de rigor até o trânsito em julgado da discussão.”

Na terça-feira, 19, Robinho divulgou um vídeo nas redes sociais em que afirmou que é alvo de racismo e que provará à Justiça brasileira que é inocente. Ele afirma ter provas de que as relações com a vítima foram consensuais e que a acusação foi premetitada.

O crime aconteceu em 2013, e a condenação de Robinho na Justiça italiana é de 2017. Os prazos de recurso no processo estrangeiro acabaram em janeiro de 2022 e, como o ex-atleta voltou ao Brasil antes disso, a Itália pediu ao governo brasileiro que ele fosse extraditado para cumprir a pena no exterior.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.