Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

A expressiva comitiva bolsonarista para a posse de Javier Milei

Ex-presidente lidera grupo que tem a primeira-dama Michelle, o filho Eduardo, ex-ministros como Gilson Machado e Fabio Wajngarten, além de vários deputados

Por Adriana Ferraz
8 dez 2023, 16h55

Na ausência de Luiz Inácio Lula da Silva, a posse marcada para domingo, 10, do presidente eleito da Argentina, Javier Milei, terá uma comitiva brasileira extraoficial, composta pelo ex-mandatário brasileiro Jair Bolsonaro e um grupo extenso de aliados que inclui governadores, deputados, assessores, filhos e a mulher, Michelle Bolsonaro. Na contramão, sem a participação de Lula nem do vice, Geraldo Alckmin, o governo petista será representado pelo ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, e auxiliares.

O ex-presidente brasileiro já está em Buenos Aires. Na manhã desta sexta, 8, ele se reuniu com Milei e apoiadores em um hotel na capital argentina. Os dois se aproximaram durante a campanha, quando o então candidato argentino chamou Lula de “corrupto” e “comunista” e ainda afirmou que não teria relações com o petista, caso eleito. 

 


Depois do encontro, segundo o jornal Folha de S.Paulo, Bolsonaro afirmou que a conversa foi “entre amigos” e provocou Lula, dizendo que o chamaria para ser seu futuro ministro de Turismo, em referência às constantes viagens do petista.

Continua após a publicidade

Entre os políticos que o acompanharam no encontro estavam os presidentes nacionais do PP, Ciro Nogueira; e do PL, Valdemar da Costa Neto; o filho e deputado federal Eduardo Bolsonaro, o ex-ministro Gilson Machado e o assessor Fabio Wajngarten. Até domingo, outros bolsonaristas como os deputados Carla Zambelli (PL-SP), Ricardo Salles (PL-SP), Bia Kicis (PL-DF) e Hélio Lopes (PL-RJ) deverão se juntar ao grupo. Também são esperados os governadores  Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP), Cláudio Castro (PL-RJ), Ronaldo Caiado (União-GO) e Jorginho Mello (PL-SC),.

A disposição de firmar laços com o país vizinho marca uma mudança de postura de Bolsonaro. Durante seus quatro anos de mandato, o ex-presidente não manteve qualquer tipo de relação com Alberto Fernández, aliado de Lula e comandante da Argentina até domingo e que era ligado ao grupo kirchnerista, de esquerda.

Apesar das críticas feitas a ele durante a campanha, Lula desejou “sorte e êxito” ao novo presidente argentino em mensagem oficial divulgada após o resultado das eleições, em 19 de novembro. O texto, no entanto, não citava o nome do vencedor, considerado de extrema direita.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.