Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

Presidente da Petrobras sai atirando, e a crise continua

No Planalto, o objetivo é o controle do caixa de 20 bilhões de dólares (ou 100 bilhões de reais), considerado essencial à campanha presidencial de 2026

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 15 Maio 2024, 09h28 - Publicado em 15 Maio 2024, 08h00

Oito meses de crise, e ninguém pode garantir que acabou. Esse é o resumo, até agora, do enredo político de Lula com a Petrobras.

Jean Paul Prates foi demitido, e saiu atirando: “Minha missão foi precocemente abreviada na presença regozijada de Alexandre Silveira e Rui Costa” — contou o ex-senador do PT em mensagem aos funcionários da empresa.

Regozijo define sensação forte de satisfação. Foi como Prates interpretou o suposto sentimento de prazer e alegria de Silveira, ministro das Minas e Energia, e Costa, chefe da Casa Civil, ao testemunhar sua demissão. Desde outubro do ano passado, eles ajudavam Lula a fritá-lo na cozinha do Palácio do Planalto.

Sua provável substituta na presidência da Petrobras, Magda Chambriard, ex-diretora da Agência Nacional de Petróleo, foi escolhida por Lula em conversas que incluíram a ex-presidente Dilma Rousseff e o antigo presidente da empresa, José Sergio Gabrielli.

A sucessão pode representar, para Lula, Silveira e Costa, uma imediata redução de danos nas relações do governo com a empresa.

O objetivo é o controle do caixa de 20 bilhões de dólares (ou 100 bilhões de reais), cujo manejo é considerado essencial ao planejamento da campanha presidencial de 2026. Como Lula já disse, com ironia, “vai ter algum momento na história do Brasil em que vai ter que ter eleição direta para presidente da Petrobras, e ele indicará o presidente da República, tal é sua capacidade de investimento”.

Continua após a publicidade

A crise continua, porque deriva dos impasses da Petrobras. Ela superou o abalo das investigações sobre corrupção em contratos com empreiteiras, que resultaram em condenações de Lula – anuladas – com uma estadia na prisão durante 19 meses. Mas prossegue com indefinições no horizonte.

A Petrobras está embarcada numa corrida contra o tempo. Estima que a partir de 2034, ou seja, em uma década, esgota-se o ciclo de exploração e produção de petróleo na camada conhecida como pré-sal.

O declínio, já iniciado, é um processo considerado inexorável e por volta de 2050 os poços existentes e os ainda em desenvolvimento já não devem produzir mais nada.

Precisa de novas descobertas de petróleo, em quantidade economicamente relevante, para a travessia pós-2030, quando começaria a deixar de ser uma petroleira para se transformar em empresa de energia.

A saída estaria na aposta – tida como certa — na pesquisa e exploração em 16 poços na chamada Margem Equatorial, entre o Rio Grande do Norte e o Amapá.

Continua após a publicidade

Significa um movimento de negócios até 2027 de ao menos 3 bilhões de dólares (ou 100 bilhões de reais), para alegria de governadores da Amazônia.

Em paralelo, prevê-se a contratação imediata de 35 navios de apoio ao custo de US$ 2,5 bilhões (ou 12,5 bilhões de reais) para entrega até 2030.

A principal exigência é a de elevado “conteúdo nacional” para beneficiar 15 estaleiros nacionais, a maior parte desativada desde as investigações sobre corrupção, em parceria com empresas estrangeiras.

No governo, a preferência é por acordos com a indústria naval da China, cujo desenvolvimento tem motivado atritos frequentes com os Estados Unidos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.