Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

Petrobras avisa: Brasil volta a importar petróleo no fim da década

Empresa acha que declínio da produção no pré-sal no Sudeste já começou, é inexorável e justifica risco de exploração na Amazônia

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 14 Maio 2024, 13h34 - Publicado em 14 Maio 2024, 08h00

A Petrobras embarcou numa corrida contra o tempo. A empresa revisou suas projeções no mês passado e avisou o governo: sem novas descobertas relevantes, de valor comercial, o Brasil deixará a posição de exportador e voltará à antiga posição de importador de de petróleo já a partir de 2034.

Significa que em uma década esgota-se o ciclo de exploração e produção de petróleo na camada conhecida como pré-sal. O declínio, já iniciado, é um processo considerado inexorável.

Assim, por volta de 2050 os poços existentes e os ainda em desenvolvimento já não devem produzir mais nada.

Esses dados levaram a Petrobras a mobilizar toda a sua capacidade de lobby dentro do governo, no Congresso, no PT, nos sindicatos e, também, nos governos de Estados amazônicos. Para a empresa, a situação justifica a pressão e o risco de exploração na Amazônia.

.
(./VEJA)

Pressiona o Ministério do Meio Ambiente, especialmente o Ibama, para a liberar rapidamente licenças de pesquisa e exploração na faixa litorânea entre o Rio Grande do Norte e o Amapá, identificada nos mapas como Margem Equatorial.

Em 2015, a Petrobras perfurou três poços, ano passado mais dois, mas, por enquanto, só tem possibilidades de descobertas na área do Rio Grande do Norte.

A aposta ao Norte, no litoral do Amapá, a 500 quilômetros da foz do rio Amazonas, ainda se sustenta pela realidade da vizinha Guiana, onde depois de uma década de pesquisas já se produz 650 mil barris de petróleo por dia, com perspectiva de dobrar a produção a partir de 2027.

Há uma dezena de empresas operando na bacia petrolífera da Guiana. A reserva local tem capacidade inicial estimada para produção de até 11 milhões de barris por dia.

Continua após a publicidade

A Petrobras acredita que algo similar possa ocorrer do lado brasileiro da Margem Equatorial e, por isso, projeta gastar três bilhões de dólares – o equivalente a 15 bilhões de reais – na abertura de 16 poços. Por enquanto, só fez dois.

Desde 2014, o Ibama recebe pedidos de análise de licenciamento de um poço aberto a 500 quilômetros da foz do Amazonas. Os primeiros foram apresentados pela British Petroleum, Total e QGep. Mas as empresas, aparentemente, desistiram.

Em 2020 a Petrobras assumiu o bloco (nº 59) exploratório, mas o Ibama negou a licença depois de oito revisões sucessivas do Estudo de Impacto Ambiental. Uma das razões básicas foi a reiterada deficiência do projeto de proteção à fauna regional, em caso de acidentes.

O poço fica no mar, 70 quilômetros do Oiapoque, mas está situado a 830 quilômetros da base indicada para socorro. A empresa negocia com o Ibama mudanças no projeto.

Continua após a publicidade

A Petrobras tem pressa num jogo de resultados imprevisíveis. Batalha abertamente pelo petróleo que acredita estar disponível à extração no litoral amazônico, porém, discretamente, avança numa alternativa de transição energética: a produção de energia eólica em “fazendas” marítimas. Pediu ao Ibama licenciamento para quase uma centena do tipo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.