Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Petrobras lucrativa incomoda Bolsonaro e Lula

Líderes nas pesquisas eleitorais, os candidatos do PL e do PT aparentemente sonham com o resgate de uma tradição de prejuízos na empresa de petróleo

Por José Casado Atualizado em 10 dez 2021, 16h57 - Publicado em 2 dez 2021, 08h30

Jair Bolsonaro e Lula, líderes nas pesquisas eleitorais, revelaram um desejo comum: reverter a política de preços e os lucros da Petrobras.

Lula anunciou: “Digo em alto e bom som: nós não vamos manter essa política de preços de aumento do gás e da gasolina que a Petrobras adotou por ter nivelado os preços pelo mercado internacional.”

Acrescentou: “Quem tem que lucrar com a Petrobras é o povo brasileiro.”

Dias atrás, Bolsonaro disse: “[A Petrobras] tem que ser uma empresa que dê um lucro não muito alto, como tem dado. Além de lucro alto para acionistas, a Petrobras está pagando dívidas bilionárias de ‘assaltos’ que ocorreram há pouco tempo na empresa.”

Arrematou: “Os dividendos são, no meu entender, absurdos, 31 bilhões de reais em três meses! É uma empresa que, hoje em dia, está prestando serviços para acionistas, mais ninguém. Eu não quero na parte da União ter esse lucro fantástico.”

Continua após a publicidade

Acionistas da Petrobras devem dividir R$ 63 bilhões em lucros neste ano. Vai ser o maior valor da história da empresa. Até agora, o recorde era do governo Dilma Rousseff, que pagou o equivalente a R$ 30 bilhões em 2009 (valor atualizado).

Bolsonaro e Lula ecoam o protesto de sindicalistas a Expedito Machado, ministro de Obras Públicas do governo João Goulart. Em 1963, no Rio, ele estava em reunião com Roberto Campos, embaixador do Brasil em Washington, quando líderes sindicais da Companhia de Navegação Lloyd Brasileiro invadiram sua sala.

— Ministro, quero denunciar ao senhor e à nação um crime da maior gravidade. Querem impelir o Lloyd Brasileiro para o caminho infame do lucro!” — protestou um deles.

A resposta de Expedito veio pronta, contou Campos no livro de memórias “A lanterna na popa“:

— Não se preocupem, meus senhores. O déficit logo será restabelecido. O Lloyd não se afastará da sua tradição!”

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês