Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

Parados no tempo

Mais de 156 milhões estão no escuro, sem saber o que pensam os candidatos

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 22 jul 2022, 10h43 - Publicado em 22 jul 2022, 06h00

Vai ter mar de gente nas urnas, em outubro. São mais de 156 milhões de pessoas cadastradas para votar, informa a Justiça Eleitoral. Isso é mais do que a população do México, e quase quatro vezes a da Argentina.

Sete de cada dez eleitores nasceram a partir da década de 70 do século passado. Ficaram adultos na sociedade estagnada, aprisionada num longo ciclo de baixo crescimento econômico e de alta desigualdade social.

Atravessaram os últimos quarenta anos num país ocasionalmente inerte, que foi caso de sucesso no mundo durante a maior parte dos seus dois séculos de independência.

Ainda Colônia, o Brasil de 1822 era aldeia de 4,7 milhões movida a trabalho escravo no planeta habitado por 1 bilhão de pessoas.

Continua após a publicidade

Quinze décadas depois, em 1980, era nação de 120 milhões num mundo de pouco mais de 4 bilhões de humanos.

O legado escravista segue indelével na paisagem, mas nesse intervalo de 158 anos a produção de riqueza no país avançou em velocidade três vezes acima da média mundial, medida pelo produto interno bruto (PIB).

Multiplicou-se por dez sua participação na economia global. Representava 0,3% no ano da Independência, saltou para 3% quando a IBM e a Apple inauguravam a era da computação portátil. Desde então, caiu e se mantém estacionada em patamar inferior a 2,5%.

Continua após a publicidade

Quatro décadas atrás o Brasil pertencia ao grupo de países pobres integrado pela China, Coreia do Sul e Índia, entre outros. Eles mudaram de “clube”.

O caso indiano é exemplar. Na terça-feira de 15 de novembro, quando o Brasil completar 133 anos de República, com um governo recém-­eleito, a Índia começa a se transformar no país mais populoso do planeta — prevê a ONU. Terá 1,4 bilhão de habitantes e deve ultrapassar a China em 2023.

A sociedade indiana avançou muito em relação à brasileira. O governo do conservador Narendra Modi não deixa espaço para que seja classificado como modelo de democracia, mas, também, não atrapalhou demais e até ajudou, com reformas burocráticas, a impulsionar o país à expansão econômica de mais de 7% neste ano.

Continua após a publicidade

“Mais de 156 milhões estão no escuro, sem saber o que pensam os candidatos”

É recorde global, com fato relevante: esse crescimento deriva, basicamente, da economia digital. A Índia virou uma espécie de berçário na nova fronteira do capitalismo, com mais de 700 000 empresas dedicadas à inovação. Uma centena delas se destaca pelo valor de mercado acima de 1 bilhão de dólares — mais de 5 bilhões de reais. É o que os vendedores de papéis financeiros chamam de unicórnios.

No Brasil não há mais de vinte entre 14 000 startups registradas. É um símbolo desse ciclo de quatro décadas de estagnação, quando foram corroídas as chances de melhoria no padrão de vida dos brasileiros, agora prisioneiros de inédito nível de empobrecimento.

Continua após a publicidade

O país chega inerte aos 200 anos de Independência, apesar da reconhecida abundância de insumos essenciais (população, terra, água, energia renovável e fronteiras pacificadas) e da relativa autonomia tecnológica capaz de transformar seu ecossistema social e econômico.

Onde parecia construção acumulam-se ruínas. Divide-se na política numa espécie de festim antropofágico, a da eleição pela rejeição. Reluz em regressão social com uma de cada cinco famílias em situação de pobreza, e um terço delas afundadas em endividamento recorde. A debilidade econômica levou o setor industrial a retroceder à posição que possuía no produto interno bruto dos anos 40 do século passado.

É notável que os diagnósticos dessa melancolia brasileira de quatro décadas sejam convergentes para a mesma causa: o agravamento da desigualdade doméstica no acesso à educação e à saúde, e, em consequência, de oportunidades de trabalho e de remuneração.

Continua após a publicidade

A temporada de campanha eleitoral deveria servir como fórum nacional para debate de alternativas. No entanto, a nove semanas e meia da votação a maioria dos candidatos à Presidência da República e partidos nem sequer se preocupou em apresentar um roteiro de ideias ao distinto público votante e pagante.

Mais de 156 milhões de eleitores continuam no escuro. Desconhecem o que se planeja para o futuro. Essa deliberada omissão, à esquerda e à direita, apenas confirma a perda do sentido de progresso, que mantém o país apático há quatro décadas. É fonte de instabilidade política e, certamente, vai custar caro ao próximo governo.

Os textos dos colunistas não refletem, necessariamente, a opinião de VEJA

Publicado em VEJA de 27 de julho de 2022, edição nº 2799

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.