Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Para Bolsonaro, Petrobras lucrativa representa ameaça eleitoral

Presidente anuncia que o governo planeja intervenção na política de preços da empresa de petróleo, para que "dê lucro não muito alto como tem dado"

Por José Casado Atualizado em 29 out 2021, 17h05 - Publicado em 29 out 2021, 08h00

Jair Bolsonaro ameaça chegar à perfeição. Ontem anunciou que o governo planeja uma intervenção na política de preços da Petrobras, para que “dê lucro não muito alto como tem dado”.

De janeiro a setembro, a companhia de petróleo rendeu R$ 63,4 bilhões (cerca de US$ 12 bilhões) em lucro aos acionistas. É consequência da alta de preços do óleo no mercado mundial, com aumento de mais de 50% neste ano.

Significa um extra de R$ 24 bilhões (US$ 4,5 bilhões) no caixa do Tesouro Nacional. É o volume de dinheiro a ser repassado como dividendos — a parte dos lucros devida ao Estado, o acionista-controlador, dono de quase 38% das ações com direito a voto.

Não é pouco. Essa dinheirama seria suficiente, por exemplo, para pagar 68% do custo do programa Bolsa Família neste ano. E se a essa bolada fossem somadas as verbas orçamentárias (R$ 16 bilhões) entregues por Bolsonaro ao controle dos líderes do Centrão, o governo financiaria sem dificuldade os programas sociais destinados aos pobres.

Não é tudo. Entre janeiro e setembro a Petrobras recolheu aos cofres públicos R$ 134,1 bilhões (equivalente a US$ 25,3 bilhões) em pagamento das taxas cobradas pelo Estado sobre produtos como gasolina, diesel e gás de cozinha.

Nada menos que 51% desse valor foi transferido diretamente aos cofres da União, como tributos federais e royalties, ou participações governamentais na produção de petróleo.

Para Bolsonaro, no entanto, a Petrobras lucrativa representa ameaça eleitoral, por causa dos preços dos derivados de petróleo. “Ela tem que ter o seu viés social, no bom sentido”, argumenta.

O raciocínio do candidato à reeleição contém uma visão peculiar do governo e do Estado. Ele finge não distinguir  a diferença, e induz à confusão entre o público e o privado: os lucros acumulados pela empresa neste ano, diz, “favorecem apenas os acionistas, não a sociedade”.

Continua após a publicidade

É uma lógica tortuosa, porque o Estado é proprietário do controle acionário (cerca de 38%) da empresa. E, como se sabe, Estado é a nação, politicamente estruturada. Ao ser eleito presidente, por exemplo, Bolsonaro se tornou chefe de Estado. Possivelmente, se esqueceu ou não quer lembrar desse detalhe.

Sobra a imagem de um presidente pitoresco num governo errático em fim de mandato. Seu desejo manifesto de que a Petrobras pare de dar lucro “muito alto” ressoa uma história inusitada relatada pelo economista e deputado Roberto Campos, ícone do liberalismo no século passado, no livro de memórias “A lanterna na popa“.

Embaixador em Washington, Campos tentava reabrir linhas de crédito do Banco Mundial ao Brasil. Precisava de projetos. De passagem pelo Rio, em 1963, visitou Expedito Machado, ministro de Obras Públicas do governo João Goulart. Começaram a conversar e a sala foi invadida por líderes sindicais da Companhia de Navegação Lloyd Brasileiro, grande empresa estatal da época.

“Com tonitruante vozeirão”— conta— “o líder, com forte sotaque nordestino, começou sua arenga: — Ministro, quero denunciar ao senhor e à nação um crime da maior gravidade. Querem impelir o Lloyd Brasileiro para o caminho infame do lucro!”

“Aparentemente, algumas reivindicações salariais não haviam sido atendidas, e isso denotava obscena preocupação capitalista do Lloyd com a lucratividade.

— Como é que o ministro vai sair dessa? — murmurei.

A resposta de Expedito veio pronta.

— Não se preocupem, meus senhores. O déficit logo será restabelecido. O Lloyd não se afastará da sua tradição!”

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês