Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

Os líderes de Bolsonaro no Congresso estão atordoados

No Senado, indiciamento policial por corrupção e lavagem de dinheiro, na Câmara ameaça de desobediência a sentenças judiciais

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 9 jun 2021, 20h04 - Publicado em 9 jun 2021, 09h30

Os líderes de Jair Bolsonaro no Congresso estão atordoados.

Ontem pela manhã, o líder no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), foi indiciado pela Polícia Federal sob acusações de crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e falsidade ideológica eleitoral.

A polícia informou ao Supremo Tribunal Federal que o senador e seu filho, deputado federal homônimo, também do MDB pernambucano, receberam subornos de R$ 10 milhões de empreiteiras quando Fernando pai foi ministro da Integração Nacional no governo Dilma Rousseff.

À tarde, o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), aproveitou um evento do jornal O Globo e usou a ordem judicial  sobre o adiamento do Censo — para 2022 como queria o governo —, e  desenhou uma crise institucional no horizonte: Executivo e Legislativo unidos em confronto com o Judiciário — ele especulou.

“O Judiciário vai ter que se acomodar nesse avançar nas prerrogativas do Executivo e Legislativo”, ameaçou o líder do governo na Câmara, acrescentando: “Vai chegar uma hora em que vamos dizer [ao Judiciário] que simplesmente não vamos cumprir mais [as sentenças judiciais]. Vocês cuidam dos seus que eu cuido do nosso, não dá mais para simplesmente cumprir as decisões porque elas não têm nenhum fundamento, nenhum sentido, nenhum senso prático.”

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM: PF usou celular para mapear entregas de propina a líder de Bolsonaro

Expoente do Centrão, Barros enfrenta dificuldades com a polícia e o Judiciário, similares à do senador Bezerra Coelho.

O presidente do Supremo, Luiz Fux, se permitiu um lacônico comentário: “O respeito às decisões judiciais é pressuposto do estado democrático de direito”. Não se demonstrou preocupação com a ameaça de desobediência civil do líder do governo na Câmara. Mas todos os juízes do STF registraram.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.