Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

O tango de Lula e Fernández na ruína argentina

Com a economia derretendo, Fernández gastou US$ 20 milhões em novo avião presidencial — um luxo num país sob hiperinflação e com 39% da população na pobreza

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 3 Maio 2023, 19h37 - Publicado em 3 Maio 2023, 09h30

Lula deu uma recepção calorosa ao seu amigo Alberto Fernández, nesta terça-feira em Brasília.

Ele preside uma Argentina que, mais uma vez, está à beira do colapso econômico e político.

O país vai terminar a semana sem caixa suficiente para pagar dez dias de importações — as reservas (líquidas) do país estão estimadas em pouco mais de 1 bilhão de dólares.

Crises por escassez de dólares e de crédito externo não são novidade para argentinos com até 70 anos de idade. Em vida, eles já assistiram à assinatura de 23 acordos emergenciais do seu país com o Fundo Monetário Internacional.

Hoje, a Argentina é o maior devedor do FMI. Tomou emprestados 46 bilhões de dólares. É mais que a soma dos outros quatro maiores devedores do Fundo (Egito, Ucrânia, Equador e Paquistão).

Fernández reclamou do capitalismo, Lula culpou o FMI pela crise capitaneada pelo amigo e prometeu telefonar para a sede do Fundo, em Washington: “Vou falar com o FMI para tirar a faca do seu pescoço”.

Continua após a publicidade

Ambos sonham com o auxílio de uma China supostamente interessada em provocar os EUA no Cone Sul. Mas sabem que as prioridades de Pequim na região nos últimos três anos foram substituir o Brasil como principal fornecedor de produtos industrializados do Mercosul; ampliar a dependência brasileira nas vendas para o mercado chinês, e aumentar a dependência financeira argentina da moeda chinesa.

A ajuda chinesa está a caminho, Lula avisou: “Falei com a Dilma” [presidente do banco de desenvolvimento do BRICS]. No fim do mês, anunciou, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, vai à reunião do banco, em Xangai, para “sensibilizar o coração” do governo chinês: “Não é nem emprestar dinheiro para a Argentina. Nós queremos que eles nos deem garantia, que aí facilita muito a relação do Brasil com a Argentina”.

Lula quer socorrer o governo do amigo argentino, mas precisa de garantias que ele não tem e só Pequim ou Washington podem dar.

Restam a Fernández sete meses de mandato. Sem dinheiro e sem crédito, comanda um país estressado pela hiperinflação (atualmente, 104% ao ano).

Isolado no próprio partido, e sob férrea oposição da vice-presidente Cristina Kirchner, principal eleitora peronista, foi obrigado a renunciar à disputa pela reeleição.

Continua após a publicidade

Deve presidir uma histórica derrota eleitoral do peronismo em dezembro, indicam as pesquisas. Já assiste à inédita ascensão da extrema direita, cujo candidato, Javier Milei, chegou a 35% da preferência dos eleitores com menos de 30 anos de idade.

Fernández vai precisar de sorte para completar o mandato e escapar de um epílogo antecipado, como ocorreu com o ex-presidente Fernando de la Rúa. Em 2001, a hiperinflação fez a Argentina ter cinco presidentes na semana entre o Natal e o réveillon.

Retorna a Brasília no final deste mês para um “retiro” de presidentes do Mercosul organizado por Lula.

Voltará a bordo do novo avião presidencial, um Boeing 757-200 de 39 lugares, equipado com três suítes e sala de reunião.

Fernández pagou cerca de 20 milhões de dólares pela aeronave dez dias atrás — legado de luxo para o futuro presidente da ruína argentina, onde 39% da população já vivem na pobreza, segundo os dados governamentais.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.