Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

O erro do PSDB, MDB e Cidadania com os eleitores insatisfeitos

Um terço do eleitorado repete, há meses, a rejeição Lula e Bolsonaro, mas líderes da "alternativa" não conseguem sintonia com esse bloco de descontentes

Por José Casado Atualizado em 5 Maio 2022, 09h47 - Publicado em 5 Maio 2022, 08h00

Prazo costuma ser fonte de inspiração. Líderes do MDB, PSDB e Cidadania intensificaram viagens e reuniões no eixo São Paulo-Brasília, nos últimos dias, à procura da saída do labirinto  em que se meteram na construção de candidatura alternativa às de Lula e de Jair Bolsonaro, líderes nas pesquisas eleitorais.

À espera desse lampejo, combinaram um jantar em Brasília, ontem, com João Doria, ex-governador paulista que venceu as prévias para a candidatura presidencial do PSDB.

Muitos veem Doria como candidato-problema, porque patina em quarto lugar nas pesquisas, ainda distante do patamar desejado — em torno de 10%.

Ele tenta convencê-los de que é o candidato-solução, com propostas coerentes para um eleitorado empobrecido e insatisfeito com o governo de dois dígitos (10,5% de inflação, 11,1% de desemprego e 12,7% de juros).

O trunfo de Doria, por enquanto, é a vitória nas prévias. A dificuldade comum do PSDB, Cidadania e MDB é o prazo para construir a idealizada candidatura alternativa, da terceira via ou do centro democrático. Sobram identidades, faltam intenções de votos nas pesquisas que indicam uma disputa apertada.

O tempo corre. Seis em cada dez eleitores, informam as pesquisas, já teriam escolhido um candidato — Lula na frente, Bolsonaro em segundo e Ciro Gomes em terceiro.

A disputa ocorre num ambiente contaminado por uma retórica política destrutiva, combinada ao estímulo à descrença no processo eleitoral e à desobediência civil, fomentadas por Bolsonaro.

Continua após a publicidade

O relógio marca o prazo, cada dia mais curto. Há quem entreveja um fiasco logo adiante. É o caso de Antonio Brito, ex-governador do Rio Grande do Sul.

Semana passada, numa diante de uma plateia do MDB, PSDB e Cidadania, pegou o microfone e foi direto na autocrítica: “Estamos a algumas semanas de cometer um ato de vilania, covardia e estupidez, que é deixar o país sem opção.”

“Lembro de quando era constituinte [em 1988]” — prosseguiu. “A gente sonhou, sonhou apanhando, em construir democracia. A gente avançou como democracia. Depois, a gente sonhou que democracia trazia justiça. Erro grave, porque ela sozinha não traz justiça. Falhamos e fracassamos terrivelmente, porque a gente virou essa expressão horrorosa chamada centro democrático, que, pra mim, no mundo da gastronomia, é sopa de chuchu. Eu não sei o que quer dizer centro democrático.”

Acrescentou: “Só houve uma vez na nossa geração onde a gente conseguiu falar a linguagem do brasileiro: foi na hora do [Plano] Real [em 1994]. Em todas as outras horas, a gente falou uma linguagem intelectualizada, racional, correta, patriótica, honesta, séria, sensível, mas que não era popular. E o que a gente está colhendo agora é o fracasso em ter opções populares sensatas, ou opções populares racionais, ou opções populares não fanatizadas. Nós erramos. Todos.”

O ex-governador gaúcho se expôs na angústia comum à centena de políticos e ativistas que o escutavam em apertado auditório. Foi aplaudido por ter posto o dedo na ferida.

Há meses, quatro em cada dez eleitores repetem nas pesquisas que ainda não escolheram candidato. E três deles persistem na rejeição a Lula e Bolsonaro. No entanto, os líderes políticos da candidatura alternativa, da terceira via, do centro democrático ou da sopa de chuchu, não conseguem entrar em sintonia com esse bloco de eleitores.

O tempo voa no calendário eleitoral. O prazo é curto, e o fracasso vai custar caro. Para todos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)