Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

Brasil torna a Constituição irrelevante com mudanças a cada 60 dias

A banalidade constitucional está fomentando um ambiente de insegurança jurídica crescente, com instabilidade permanente

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 2 jul 2022, 08h11 - Publicado em 2 jul 2022, 06h00

O Brasil tornou irrelevante a sua Constituição. Promulgada há 33 anos, era para ser um conjunto de normas e preceitos essencialmente estáveis. Porém, essa estabilidade foi liquidada por 118 emendas promulgadas até junho. E haverá pelo menos mais uma ainda neste mês — a do novo “estado de emergência” na economia, com data de validade até 31 de dezembro.

A Constituição passou a ser mutável, variável, conforme a conveniência política do governo, do Congresso e do Judiciário.

Até o final do ano passado, vinha sendo alterada, em média, a cada 90 dias. Ou seja, como  um periódico trimestral.

Neste ano, a metamorfose constitucional está acontecendo em velocidade muito maior: agora, as normas são modificadas a cada 60 dias, na média. As reedições do texto, revisto e alterado, passaram a ser bimestrais.

Para produzir a Carta original, promulgada em outubro de 1988, os constituintes trabalharam durante 20 meses, sem intervalo. Coletaram 72 mil sugestões, via Correios, apresentaram outras 12 mil e fizeram 19 mil intervenções em plenário, entre discursos, pareceres, discussões de matérias, questões de ordem, encaminhamentos de votação, comunicações, etc.

Na noite da última quinta-feira, no espaço de 190 minutos o Senado aprovou, em dois turnos de votação, a mais nova proposta de emenda constitucional — a PEC do estado de emergência econômica.

Continua após a publicidade

Na essência, ela modifica normas fundamentais da economia, como a do limite de gastos, de endividamento do setor público e de responsabilidade no equilíbrio das contas nacionais.

Nada na Constituição é trivial, incluindo as vírgulas. No entanto, a nova emenda foi apresentada, discutida e votada duas vezes em apenas três horas e dez minutos, e para valer até o último dia deste ano.

Relatório e debate do projeto foram feitos por videoconferência — cinco senadores votaram por telefone, de dentro de um avião que sobrevoava a floresta amazônica.

O texto constitucional acabou alterado num projeto com frases, palavras e vírgulas produzidas “na coxa”, notou a senadora Simone Tebet (MDB-MS).

Estavam em jogo mais de R$ 40 bilhões dos cofres públicos. Desse total, R$ 31 bilhões são  destinados a 17 milhões de pessoas pobres, cadastradas pelo governo como dependentes do socorro financeiro estatal (pelos dados oficiais, o universo de pobreza extrema abriga o dobro de gente). Outros R$ 9 bilhões foram acrescentados para atender a interesses empresariais e de segmentos do eleitorado, como taxistas e caminhoneiros.

Continua após a publicidade

O improviso foi dominante no plenário, e perceptível em três questões recorrentes nos discursos: “Como vai ser a distribuição dos recursos?”; “Quem vai fazer; e, “Custa quanto?”

“Como a gente faz? Vai votar ‘sim’ ou vai votar ‘não’? — questionava o senador Confúncio Moura (MDB-RO), lamentando: “Temos aí, nas gavetas, uma série de projetos excelentes, maravilhosos, mofando.”

A proposta de emenda criou um precedente perigoso, comentou Jean-Paul Prates (PT-RN): “A partir de agora, governos em final de mandato vão criar caos no início do último ano, para, depois, tirar o ‘bode’ da sala e tentar uma recuperação eleitoral.”

Não há mais limites, interpretou José Serra (PSDB-SP): “A perda de credibilidade fiscal vai estimular inflação, juros mais elevados e reduzir os investimentos necessários para a geração de emprego e renda, que é a mais importante política de combate à pobreza que dispomos.” Serra foi o único a votar contra.

A PEC Kamikaze, como os senadores apelidaram, deverá ser referendada pela Câmara na próxima semana. Será a 119ª emenda, a quinta neste ano.

Continua após a publicidade

Constituições têm como objetivo dar estabilidade à vida em sociedade. No Brasil, a banalidade constitucional está fomentando um ambiente de insegurança jurídica crescente, com instabilidade permanente.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.