Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

Aborto: “A postura reticente da esquerda é o que causa mais incômodo”

Frase

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 16 abr 2022, 17h54 - Publicado em 16 abr 2022, 17h10

“No Brasil, a tema da interrupção voluntária da gravidez sempre foi um elefante branco na sala da ‘grande política’. A polêmica fala de Lula sobre o aborto escancarou contradições antigas da política brasileira: a dificuldade de se falar sobre interrupção voluntária da gravidez em qualquer ponto do espectro político. Se as manifestações histéricas de repúdio da direita são sempre esperadas, a postura reticente da esquerda é o que causa mais incômodo. Ainda que a antiga tática de deixar o debate morrer pareça ser a solução mais confortável, defendo que já passou da hora de qualificar um pouco mais essa conversa (…) Nos últimos programas de candidatos à presidência da esquerda, a palavra aborto é condescendentemente omitida, e o assunto passa longe dos palanques, mesmo quando o debate é justiça de gênero. O argumento que sustenta o silêncio é uma releitura da velha subalternização das pautas feministas, aqui maquiada de tática política: o debate do aborto é muito delicado, um amálgama de questões morais, religiosas e sociais, e atrai críticas intensas o suficiente para ameaçar a viabilidade eleitoral programas progressistas. E o resultado é esse: na redemocratização, a pauta foi deixada de lado, pois o foco seria encerrar a ditadura, nos anos 90 pelo combate ao projeto neoliberal, em 2002 pela importância de eleger o primeiro presidente trabalhador da história do país, e em 2014 pelo esforço de reeleição da presidenta Dilma Rousseff. Atualmente, a urgência em derrubar o Bolsonaro pede às mulheres, mais uma vez, paciência, pois ainda não é o momento “certo” de falar, já que a defesa de uma maior amplitude do direito ao abortar poderia colocar em risco a vitória do PT por cutucar o vespeiro do eleitorado religioso. Será mesmo?”

(Tainã Gois, advogada e integrante do Conselho de Políticas para Mulheres da Prefeitura Municipal de São Paulo, co-autora de “No fio da navalha: a litigância de má-fé e o preconceito”, sobre o silêncio sobre o aborto na esquerda no portal A Terra é redonda

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.