Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Em Cartaz

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

Novo ‘A Morte do Demônio’ é genérico e assustadoramente convencional

O filme que estreia nesta quinta-feira promete expansão da franquia original ao levar o terror para a cidade, mas se prende a estereótipos do horror atual

Por Thiago Gelli Atualizado em 20 abr 2023, 16h57 - Publicado em 20 abr 2023, 11h26

Coração de mãe sempre tem espaço para mais um. Em A Morte do Demônio: A Ascensão, que estreia nos cinemas do país nesta quinta-feira, 20, o da tatuadora Ellie (Alyssa Sutherland) acomoda três filhos, uma irmã roqueira distante e, agora, uma força infernal milenar determinada a desmembrar cada um de seus amados. Quinto longa derivado da franquia iniciada em 1981, Ascensão se afasta de seus antecessores afeiçoados a cabanas isoladas e decide assombrar um prédio residencial em plena Los Angeles, onde um buraco no subsolo revela o livro dos mortos para uma família feliz.

Há 40 anos, o cineasta Sam Raimi foi o responsável pela gênese da franquia. Com apenas 20 anos de idade, ele desenvolveu no projeto as marcas autorais que o acompanham até hoje, em especial os efeitos gráficos e o humor que parodia figuras heroicas e a seriedade do horror. Em 2013, Fede Alvarez tomou as rédeas do cenário original e acentuou o sadismo e a violência em uma nova história cinzenta e trágica — o filme ainda carrega o recorde da maior quantidade de sangue falso utilizado em um set. 

Ascensão, contudo, despe a série de marcas autorais e percorre o caminho rumo à reprodutibilidade infinita, estratégia de mercado que assola muitos dos ícones do terror. Com uma narrativa formulaica e o estilo derivativo do trabalho de Alvarez, abre-se o precedente para que a truculência da franquia não precise ser acompanhada da sagacidade, da irreverência ou do comprometimento que a trouxe até aqui — e assim possa coexistir com famílias de comercial de margarina.

Isso, no entanto, não fica claro imediatamente. Em seus melhores momentos, o longa cativa com uma boa direção de arte, piadas visuais, dramaticidade gótica e um aceno para possibilidades temáticas e cênicas inéditas — em sua maioria graças ao prédio em que se passa a trama. Construção antiga prestes a ser demolida em Los Angeles, ele simboliza o enlouquecedor processo de higienização de centros urbanos e até serve como paralelo ao próprio longa, que repagina um título independente de outrora a fim do lucro de um grande estúdio. Aliado ao pequeno elenco de vizinhos da família central, este elemento faz o espectador acreditar que a história lidará com um escopo maior que o exaustivo tema de traumas familiares, mas não. 

Se o cinema de terror já serviu para a quebra de paradigmas sociais, hoje muitos de seus sucessos parecem mais dedicados a confortar o público com a manutenção das estruturas tradicionais às quais estão acostumados. Os eventos chocantes e a encenação — que aproveita bem o espaço de um apartamento — servem como distração e leve divertimento, mas perdem peso em uma lição de moral sobre o quão virtuosa é a maternidade, e assim falham em criar heróis memoráveis. Com o demônio das sequências à solta, todavia, tudo indica que uma nova tentativa logo ascenderá.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.