Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Em Cartaz Por Raquel Carneiro Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca

Javier Bardem: “Comecei no cinema como um ‘pedaço de carne’”

Ator espanhol falou sobre a carreira em evento no Festival de Cannes e brincou sobre sua fama de galã

Por Jennifer Queen, de Cannes Atualizado em 30 Maio 2022, 15h03 - Publicado em 28 Maio 2022, 11h37

O ator espanhol Javier Bardem, de 53 anos, esbanjou simpatia e bom humor durante um encontro com convidados no Festival de Cannes

Na conversa conduzida pelo crítico francês Didier AllouchBardem comparou o cinema de hoje àquele do início de sua carreira, em 1992, com o filme “Jamón, jamón” (Amor e Presuntos) de Pedro Almódovar. “Antes, filmes eram um evento. Podiam ficar um ano em cartaz se garantiam algum sucesso de bilheteria. Agora, ficam no máximo um mês e meio”.

Sobre o filme de estreia, em que contracena com a atual esposa Penélope Cruz, diz ainda: “queríamos tanto que fosse perfeito, que não chegou nem a ser bom”. Em tom de brincadeira, Bardem contou que, num dos primeiros testes para papéis, pediram que ele tirasse a camiseta. “Então ser ator é isso?”, perguntou. “Comecei como um pedaço de carne, e trabalhei essa percepção de lá para cá. Como vocês podem ver, posso ainda ser um pedaço de carne”, disse, rindo.

Durante as perguntas do público, ele quebrava o gelo com referências ao seu sex appeal. “Porque eu sou muito atraente, não é?”. Ao mesmo tempo, quando perguntado como definiria masculinidade, no contexto dos papéis masculinos em sua carreira cinematográfica, respondeu: “Homem é quem tem a mulher dentro. Somos cinquenta, cinquenta. Tem gente que é mais do que isso. Mas precisaria entender melhor as novas discussões sobre gênero”, disse, com a cabeça baixa.

O ator falou sobre a intimidade com a esposa. “Quando filmamos ‘Vicky, Cristina e Barcelona’, quase não falei com ela, como não falamos com a garota em quem estamos interessados na escola. Numa das últimas cenas, começamos a nos beijar, e ficamos assim por um longo tempo. Quando terminamos, não havia mais câmeras. Ninguém estava lá. Woody [Allen] nos enviou essa gravação como presente de casamento”.

Atores pediram a ele que falasse sobre os como tinha superado os momentos difíceis. “Há 10 meses, minha mãe morreu, e eu era muito ligado a ela. Quando me dizem ‘Ação!’, me encho de vida. É um privilégio trabalhar com algo que permite fazer isso”. Sobre passar para detrás das câmeras, foi categórico: não. “Al Pacino um dia me contou sobre um acidente de carro que presenciou na outra esquina. Enquanto o carro pegava fogo, ele não pensou em como resolver aquilo, mas em como as pessoas dentro do carro estavam sentido. Sou assim: não consigo enxergar como alguém de fora, estou do lado de dentro”.

Mas limites devem ser observados: “uma vez insisti em fazer tudo o que meu personagem fazia, e tive os dedos quebrados [mostrou o dedo mindinho]. Então aprendi: você precisa estar saudável para representar a doença, senão não será livre o suficiente”.

Sobre as dicas a aspirantes a ator, brincou dizendo que seria melhor fazer outra coisa. “Temos essa ideia de que ser ator é algo menor. Sempre pensei isso. Quando Penélope estava grávida de nosso primeiro filho, Al Pacino viajou para nos encontrar. Brinquei dizendo que achava que ele seria ator, e Pacino disse, acariciando a barriga de minha mulher: espero que ele seja ator. É verdade. Então eu digo: bem-vindo e boa sorte. Espero que você encontre um momento como esse, quando tudo faz sentido”. Bardem recebeu uma homenagem de uma atriz ucraniana, com uma camiseta que deveria trazer o aroma da felicidade, e foi elogiado em seu apoio a iniciativas para refugiados.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)