Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

É tudo história

Por Coluna
O que é fato e ficção em filmes e séries baseados em casos reais
Continua após publicidade

O trágico caso real por trás de ‘Antracite’, série sobre seitas da Netflix

Produção lançada recentemente explodiu na plataforma e tem paralelo com mortes ligadas a culto na década de 1990

Por Amanda Capuano Atualizado em 9 Maio 2024, 12h14 - Publicado em 18 abr 2024, 12h47

Lançada recentemente na Netflix, a minissérie francesa Antracite virou fenômeno e está entre as séries mais vistas da plataforma com uma história perturbadora: em um dia de inverno nos Alpes franceses, a polícia invade a casa de uma seita religiosa e encontra diversos cadáveres. Trinta anos depois, quando um repórter que investigava o culto é sequestrado, sua filha segue para as montanhas determinada a encontrá-lo e a resolver o mistério das mortes que assolam a cidade. Criada por Fanny Robert, Maxime Berthemy e Mehdi Ouahab, a produção é inspirada, ainda que de longe, por um caso real: o massacre da Ordem do Templo Solar, que aconteceu na França, em 1995.

Em dezembro daquele ano, dezesseis corpos foram encontrados carbonizados no Maciço de Vercors, cordilheira próxima de Grenoble. Segundo relatado pelo New York Times na época, eles estavam distribuídos em formato de estrela ao redor de um fogueira, em circunstâncias similares a um combo de suicídio coletivo e assassinatos que acontecera anteriormente na Suíça — dez das vítimas, inclusive, viviam no país. As semelhanças levaram as autoridades a declarar que os mortos eram membros da Ordem do Templo Solar, seita que pregava o fim do mundo e dizia aos seus adeptos que a morte era “pura ilusão”. A polícia de Genebra encontrou bilhetes nas casas de quatro desaparecidos que expressavam o desejo de “ver outro mundo” .

Segundo as investigações, dois membros do culto ficaram responsáveis por dopar e matar o resto do grupo antes de tirarem a própria vida. Entre 1994 e 1997, a seita foi atrelada a assassinatos/suicídios coletivos que aconteceram na Suíça, Canadá e França. No total, 72 pessoas morreram nesses rituais, incluindo diversas crianças, e os líderes do culto, que prometiam “conduzir os seguidores através do fogo” até o planeta “Sirius”– como os cabeças do grupo estavam entre os mortos, ninguém foi responsabilizado. Em entrevista ao site Diverto, Berthemy explicou que Fanny, uma das criadoras da série, cresceu na região de Grenoble, envolta em histórias como essade cultos e rituais — o que acabou se refletindo  na trama. “Isso se infundiu na imaginação dela”, proclamou o colega. 


Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.