Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Dora Kramer Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Trincheira vazia

Na batalha da ‘fraude’ eleitoral, Bolsonaro vem se transformando num comandante sem tropa

Por Dora Kramer Atualizado em 24 Maio 2022, 18h08 - Publicado em 20 Maio 2022, 06h00

Sinais efetivos e alentadores têm sido dados ultimamente de que o presidente Jair Bolsonaro é um comandante sem tropa na batalha que empreende contra o resultado das eleições de outubro. Qualquer que seja: se for derrotado para dizer que na verdade ganhou e, em caso de vitória, para alegar que a “fraude” se deu na contagem de votos, pois teria vencido por margem muito maior.

Conturbação haverá, como de resto está havendo há três anos com o presidente da República tentando levar o país à exaustão com sua dinâmica de conflito permanente e a ideia de se mostrar maior do que realmente é para intimidar a sociedade e, assim, disseminar a sensação de que a contestação a ele elevaria o risco de uma ruptura institucional.

Nesse aspecto, até obteve sucesso ao conseguir emplacar a tese do “golpe” iminente e tornar o Brasil (ou a parte dele engajada no debate político) refém de uma temática regressiva. Voltamos a discutir sob a óptica do passado para deixar em segundo plano as questões do presente e suas repercussões no futuro.

A realidade paralela de Bolsonaro, no entanto, tem encontrado limites. Por paradoxal que seja, tais limitações decorrem justamente da falta de noção dele sobre pontos a não ser ultrapassados. O presidente colecionou derrotas pontuais ao longo do mandato sempre que seu mundo de ficção entrou em choque com a realidade.

Caso gritante da vacinação contra a Covid-19. Quanto mais o presidente resistia às vacinas colocando em dúvida a eficácia delas, maior era a adesão dos brasileiros à imunização. Ficou falando praticamente sozinho e foi obrigado a abandonar aquela guerra. Saiu de fininho do campo na companhia de seus adeptos mais fanáticos, cujo discurso passou a ser o oposto. Quando perceberam o erro de cálculo, deram voz à tese de “Bolsonaro pai das vacinas”, mas era tarde. A derrota estava consolidada.

Na batalha da “fraude eleitoral” se desenha no horizonte algo parecido. Perdido o primeiro round na recusa do Congresso de ressuscitar o voto impresso, Bolsonaro em princípio aquietou-se uns instantes, mas voltou com força à contestação da confiabilidade das urnas eletrônicas.

“Na batalha da ‘fraude’ eleitoral, Bolsonaro vem se transformando num comandante sem tropa”

Continua após a publicidade

Ocorre que o fez com a habitual ausência de noção sobre limites, provocando reação forte na mesma, ou até maior, proporção. Hoje ninguém de peso embarca nessa canoa. Nem mesmo a “bolha” de fiéis se engaja de cabeça na ideia do empastelamento do processo.

O discurso desse pessoal agora é o de inverter a culpa, dizendo que a Justiça Eleitoral alimenta a desconfiança no sistema quando fala em sua defesa. Coisa de quem perdeu os argumentos e rompeu laços de amizade com o mundo real. Neste, o que se vê é a construção de barreiras sólidas à ofensiva arruaceira.

As manifestações em prol da normalidade do pleito são praticamente diárias e ganham a adesão de gente simpática a Bolsonaro, como o procurador-geral da República, Augusto Aras, os presidentes da Câmara e do Senado e até do PL, partido do presidente, que já rifou a ideia de contratar auditoria particular para conferir o resultado das urnas eletrônicas.

A trincheira da fraude imaginária vai se esvaziando. Além de o PL não ter a menor intenção de gastar a dinheirama do Fundo Eleitoral numa inexequível conferência, as Forças Armadas não tomaram conhecimento da proposta de se prestarem a fazer apuração paralela. O presidente segue falando, mas fala a cada dia mais sozinho, desmentido pela realidade dos constantes testes de segurança das urnas e pelos posicionamentos contrários ao respaldo pretendido por ele.

Não lhe sobra alternativa a não ser recorrer a atos meramente retóricos como a inútil ação no Supremo Tribunal Federal contra o ministro Alexandre de Moraes por abuso de autoridade. Tanto barulho Bolsonaro fez, e faz, que conseguiu pôr a eleição brasileira sob estreita e inédita vigilância aos olhos do mundo.

As invertidas não impedirão o presidente da República de continuar esticando a corda. Mas o andar da carruagem não lhe é favorável, pois trilha um caminho cujo destino parece colocá-lo do lado mais fraco da arrebentação.

Fica de lição uma frase do ex-ministro do STF Carlos Ayres Britto: “A democracia não vence por nocaute. Ganha por pontos”. E é assim, na pontuação persistente, que a legalidade se impõe como fronteira intransponível.

Publicado em VEJA de 25 de maio de 2022, edição nº 2790

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)