Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Coluna da Lucília Por Lucília Diniz Um espaço para discutir bem estar, alimentação saudável e inovação

O prato da semana

A feijoada como bandeira de afirmação nacional.

Por Lucília Diniz 10 fev 2022, 16h12

Até 1922 o Brasil não era lá muito brasileiro. Pelo menos no sentido que hoje nós nos consideramos brasileiros. Não estou falando apenas de livros, pinturas e músicas, que ganharam naquele ano uma cara mais tropical, como se sabe. Falo de um modo geral daquele país dos tempos da Belle Époque: da moda das melindrosas, ditada por Paris; do sotaque carregado das pessoas, em geral lusitano ou italianado, denunciando a origem de seus pais ou avós; do trânsito incipiente de carros importados nas vias acanhadas. Penso sobretudo nas diferenças da gastronomia nesses cem anos de história. Para se ter uma ideia, nem mesmo a feijoada existia.

“Ué, Lucilia, mas a feijoada não é uma herança dos escravos?” Sim, mas eu me refiro ao prato que é saboreado hoje, nos almoços de quartas e sábados, com “paio, carne-seca, toucinho no caldeirão”, como enumerava aquela espécie de samba-receita de Chico Buarque. A música lista os ingredientes: arroz branco, linguiça, torresmo, farofa, malagueta, couve mineira e laranja, Bahia ou da Seleta. A feijoada foi cantada também em poesia. Bem antes de Chico, seu futuro parceiro Vinicius de Moraes ensinava em versos uma amiga a prepará-la, acrescentando um detalhe que não lhe passou despercebido: a laranja, cortada em fatias, deve ser servida gelada.

Na versão do músico ou do poeta, essa é a feijoada que realmente faz jus ao adjetivo “completa”. Por mais que a base seja a mesma, o prato guarda relação remota com o preparado nas senzalas até o século XIX. Difícil saber, pela grande distância no tempo, se nossos conterrâneos dos anos 20 realmente apreciavam tanto assim a feijoada. Sofisticados como eram, provavelmente também não dispensavam a gastronomia mais glamurosa da época, em que, nas mesas mais chiques, lagostas com trufas e ervas finas disputavam espaço com coquetéis de camarão. E talvez ainda não resistissem às almôndegas macias, às carnes com molhos encorpados ou às costeletas de vitela cozidas com parmesão, para citar alguns pontos altos do repertório ítalo-americano então em voga.

A feijoada, na realidade, seria mais do que uma questão de paladar. Ela serviu aos propósitos de afirmação nacional, pauta que traduzia o espírito daquela época. Surgida no Brasil profundo, ela foi uma espécie de contraponto à cozinha europeia. Para os modernistas, que implicavam com o formalismo dos portugueses, a colocação pronominal obedecendo à forma mais culta deveria soar equivalente a um bacalhau muito salgado. Medida com essa régua, a feijoada se equiparava à língua mais coloquial que eles defendiam. E foi assim que, mais do que um prato, a feijoada virou uma bandeira.

Mas talvez a maior diferença entre a gastronomia de 1922 e 2022 seja que um século atrás o que imperava eram os alimentos frescos, in natura. Não pela consciência nutricional daquela geração, mas, claro, pelo simples fato de que inexistiam a comida industrializada – com exceção, talvez, de uma goiabada em lata – e a geladeira, que por aqui só chegaria no final daquela década. E, sem ela, a feijoada do poeta, desfalcada da laranja gelada, não seria completa.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês