Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Augusto Nunes

Por Coluna Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Imagens em Movimento: Um mundo em preto e branco

SYLVIO DO AMARAL ROCHA Preto e branco, mulheres fatais, detetives, crimes. Sombras, niilismo, imagens refletidas em espelhos, erotismo, cenários exóticos, morte. Brutalidade, capangas, narrativa na primeira pessoa, tiros, ausência de heróis, enquadramentos inusitados e nome francês. Junte-se tudo isso e teremos um filme noir. Oriundo das histórias de detetives publicadas nas pulp magazines, escritas por […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 03h56 - Publicado em 4 Maio 2014, 10h02

annex-bogart-humphrey-maltese-falcon-the_20

SYLVIO DO AMARAL ROCHA

Preto e branco, mulheres fatais, detetives, crimes. Sombras, niilismo, imagens refletidas em espelhos, erotismo, cenários exóticos, morte. Brutalidade, capangas, narrativa na primeira pessoa, tiros, ausência de heróis, enquadramentos inusitados e nome francês. Junte-se tudo isso e teremos um filme noir.

Oriundo das histórias de detetives publicadas nas pulp magazines, escritas por um elenco estelar que incluiria autores como Raymond Chandler e Dashiell Hammett , o noir criou uma atmosfera que se contrapunha ao empedernido otimismo do american way of life. Personagens duros, obsessivos, neuróticos se movem num mundo violento, cínico e inclemente, acinzentado pelo binômio sexo-corrupção.

Continua após a publicidade

Também inspirados no cinema expressionista alemão da década de 1920, esses filmes foram batizados com o nome de uma coleção de livros policiais editados na França durante a década de 40, assinados pelos mesmos colaboradores das pulp. Produzidos entre os anos 1940 e 1950, o noir até hoje gera polêmicas no universo cinematográfico. Ainda há controvérsias sobre as características essenciais desse tipo de filme, a data exata do nascimento ou mesmo se é um gênero, um estilo ou uma espécie de escola. Mas pelo menos duas evidências são indiscutíveis: o noir transformou-se em fonte inspiradora para incontáveis cineastas e não vai morrer tão cedo.

Embora não surjam com tanta frequência filmes comparáveis aos clássicos Pacto de Sangue, A Marca da Maldade ou Falcão Maltês, o noir – seja com o nome de batismo, apelidado de neonoir ou camuflado por codinomes – mantém uma taxa de natalidade que lhe garante longa vida. Gumshoe, de Matt Steinauer, é um dos muitos recém-nascidos. Filmado nos EUA em 2013 com uma Red Epic (com vaga assegurada no ranking das melhores câmeras), o curta metragem que reuniu uma equipe de primeira linha impressiona pela qualidade. O único plano sequência (cena gravada sem cortes) dura 3 minutos e 45 segundos, exibe uma fotografia dura, desenhada com claros e escuros sem degradês. O preto é realmente preto (aparentemente irrelevante, tal detalhe é de execução especialmente complicada no cinema digital) e não há pixelização (quando se percebe os pixels da imagem).

Continua após a publicidade

O ponto de vista nada usual proporciona ao espectador a impressão de estar observando as cenas pela parte frontal da aba do chapéu do protagonista. O toque de humor decorre sobretudo dos ruídos e da trilha sonora. Graças a tais trunfos, Gumshoe tem destaque garantido na profusão de curtas metragens que disputam uma vaga na programação dos mais valorizados festivais de cinema.

Na 40ª edição do cobiçado Festival de Telluride, nos Estados Unidos, Gumshoe foi exibido na mesma sessão reservada a Palo Alto, filme de estreia de Gia Coppola, neta de Francis Ford Coppola. O diretor de O Poderoso Chefão estava  na plateia: “É engraçado, único e deve ter sido difícil de realizar”, elogiou.

Steinauer fará de Gumshoe uma série. Tomara que os outros episódios mantenham o nível do fundador da linhagem.

Continua após a publicidade

[vimeo 90199254 w=480 h=295]

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.