Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Pesquisadores brasileiros dão sentido às cascas de laranja

Cientistas da Unicamp desenvolvem método biotecnológico para extrair outros materiais de resíduo

Por Da Redação
13 abr 2023, 10h19

Um dos grandes desafios para a indústria de sucos é encontrar formas de reutilizar as cascas das frutas cítricas, que correspondem a mais de 40% do peso da matéria-prima usada na produção. Para solucionar essa questão, pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) desenvolveram um método biotecnológico que permite reciclar esses resíduos, extraindo deles outros materiais, como fibras solúveis e carboidratos, para serem usados em outros processos industriais.

Os pesquisadores adaptaram um método de extração de pectina, que utiliza ácido cítrico, para ser empregado em cascas de laranja, aproveitando esse tipo de fibra solúvel presente no resíduo. A pectina solúvel em água é muito utilizada pela indústria alimentícia na fabricação de produtos como geleias, compotas e outros doces.

A equipe também extraiu xilana do resíduo,  substância que pode ser convertida em carboidratos com características prebióticas por meio de processos enzimáticos. Os xilo-oligossacarídeos resultantes promovem a alimentação de bactérias benéficas à saúde presentes na flora intestinal animal.

Os procedimentos técnicos permitiram a produção de pectina com mais de 80% de pureza, tornando possível a reciclagem das cascas de laranja e reduzindo a quantidade de resíduos enviados aos aterros sanitários. O reaproveitamento desses resíduos é uma maneira de promover a economia circular e contribuir para a sustentabilidade.

“A presente invenção contribui para a redução dos impactos ambientais relacionados ao descarte das cascas de laranja no meio ambiente e ao resíduo químico gerado pelas indústrias para produção de pectina e xilo-oligossacarídeos”, disse à Agência Fapesp Manoela Martins, doutoranda em engenharia de alimentos pela Unicamp, que participou do estudo e é bolsista da fundação.

Continua após a publicidade

Martins ainda acrescenta que o processo integrado otimiza a utilização de água e solventes e reduz os custos operacionais, o que agrega valor à matéria-prima e aumenta a lucratividade. “A alta disponibilidade de resíduos de laranja permite que o processo seja operado ao longo de todo o ano para suprir as demandas do mercado de pectina e xilo-oligossacarídeos”, destaca ela.

A pesquisa foi financiada pela Fapesp e coordenada pela professora Rosana Goldbeck Coelho. Os pesquisadores entraram com pedido de patente da invenção no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi).

Com Agência Fapesp e  Inova Unicamp

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.