Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Estudo explica por que algumas pessoas se lembram dos sonhos e outras não

Segundo pesquisadores, quem tem sono leve e acorda com maior frequência à noite consegue memorizar melhor os sonhos do que quem dorme pesado

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h14 - Publicado em 17 fev 2014, 17h56

Quem tem sono leve se lembra dos sonhos com maior frequência do que quem tem sono pesado. Em um estudo publicado neste domingo no periódico Neuropsychopharmacology, cientistas do Centro de Pesquisas em Neurociência de Lyon, na França, mostram que quem se recorda dos sonhos exibe mais atividade em uma área cerebral conhecida como junção temporo-parietal, responsável pela percepção de estímulos externos como sons e luz. São pessoas que despertam mais durante a noite e, assim, gravam mais os sonhos na mente.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Resting Brain Activity Varies with Dream Recall Frequency between Subjects

Onde foi divulgada: periódico Neuropsychopharmacology

Quem fez: Jean-Baptiste Eichenlaub, Alain Nicolas, Jérôme Daltrozzo, Jérôme Redouté, Nicolas Costes e Perrine Ruby

Instituição: Centro de Pesquisas em Neurociência de Lyon, na França

Dados de amostragem: 41 pessoas

Continua após a publicidade

Resultado: Os cientistas descobriram que pessoas que se lembram de seus sonhos com frequência exibem mais atividade cerebral no córtex pré-frontal e na junção temporo-parietal

Os pesquisadores submeteram 41 voluntários a tomografias durante o período de sono e de vigília. Entre eles, 21 costumavam se recordar de seus sonhos cerca de cinco dias por semana, enquanto os demais se lembravam apenas duas vezes por mês.

Os que se recordavam com maior frequência exibiam mais atividade cerebral no córtex pré-frontal e na junção temporo-parietal – ou seja, ficavam mais tempo “ligados” durante a noite, acordavam mais e, assim, tinham mais memórias do que aqueles com sono pesado. “O cérebro adormecido não é capaz de memorizar novas informações. Ele precisa estar acordado para fazer isso”, explica Perrine Ruby, principal autora do estudo.

Leia também:

Cientistas brasileiros mostram que sonhos podem ajudar no diagnóstico de doenças mentais ​

Cientistas usam ressonância magnética para ler sonhos

Os cientistas não excluem a hipótese de que algumas pessoas sonhem mais do que outras. “É possível que aqueles que têm mais lembranças de seus sonhos são também os que produzem uma maior quantidade de sonhos”, afirmam no estudo.

Continua após a publicidade

Publicidade