Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Enfrentar seus medos é melhor do que oprimi-los, diz estudo

Nova pesquisa, publicada nesta quinta (14) na 'Science', indica que relembrar situações traumáticas ajuda a superá-las

Por Sabrina Brito Atualizado em 15 jun 2018, 17h32 - Publicado em 14 jun 2018, 16h32

Diante da lembrança de uma situação amedrontadora, o que é melhor: evitar a memória ou confrontá-la? Para a questão de como agir em relação ao seu medo, muito discutida e polêmica, pesquisadores finalmente encontraram a resposta. Ao menos até alguém não ter medo de refutá-los. 

Um estudo, conduzido por cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausana, na França, e publicado nesta quinta-feira 14 na revista Science revela que, em 29% dos casos, a lembrança de um dano físico ou psicológico grave permanece até o fim da vida. Casos mais extremos, como de stress pós-traumático (normalmente desenvolvido depois de ocorrências traumatizantes, como guerras ou acidentes perigosos), podem prejudicar muito a vida de uma pessoa. Não é raro que pacientes com esse transtorno tenham dificuldade de construir relacionamentos mais íntimos, por exemplo, ou acabem desenvolvendo problemas psicológicos ainda mais profundos.

Usando como base a análise do funcionamento dos neurônios e do comportamento geral de ratos, profissionais descobriram que o chamado ‘medo remoto’ (isto é, ativado mesmo longe da situação de perigo, como tempos depois de um acontecimento problemático ou danoso) é tanto mais atenuado quanto mais os neurônios ligados àquele sentimento negativo forem reativados. Ou seja, quanto mais uma pessoa se acostuma a lembrar de uma situação que causa medo, menor será a sensação de medo com o passar do tempo. Assim, de acordo com os pesquisadores, a opressão de um trauma não é útil para aqueles que pretendem ultrapassá-lo.

Apesar do sucesso do estudo, os cientistas afirmam que ainda há questões a ser exploradas, especialmente quando se trata do funcionamento do cérebro e da relação de algumas de suas partes com o processo de memória de uma situação assustadora. Além disso, os pesquisadores acreditam que o trabalho possa ajudar outras investigações e, consequentemente, auxiliar na medida da eficácia de intervenções, nos casos de tratamentos de lembranças traumáticas.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)