Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Clima definiu os diferentes formatos de nariz, indica pesquisa

Estudo identificou que, quanto mais fria e seca a região, mais fino será o nariz dos nativos, o que ajuda a impedir o surgimento de doenças respiratórias

Por Da Redação Atualizado em 17 mar 2017, 19h32 - Publicado em 17 mar 2017, 12h52

A forma e o tamanho do nariz são o resultado da adaptação aos diferentes tipos de clima na Terra. Segundo pesquisa publicada nesta quinta-feira na revista científica PLOS Geneticsas populações de áreas com o clima quente e úmido têm tendência a apresentar um nariz maior do que as de regiões frias e secas. A análise é a primeira a ser feita em indivíduos vivos e indica que, mais que uma diferenciação genética, o formato do nariz é uma adaptação ao ambiente. O estudo é importante pois abre caminho para a compreensão de como certas doenças podem estar relacionadas a esse ajuste humano ao ambiente.

A explicação para a diferença seria que o nariz mais estreito, como o dos europeus, tem a função de umedecer e aquecer o ar antes de ele descer pela faringe e traqueia em direção ao pulmão, impedindo o surgimento de doenças respiratórias. Ou seja, quanto mais fino o nariz dos europeus, melhor sua sobrevivência. De acordo com os autores, segundo a teoria da seleção natural, a característica persistiu e se desenvolveu conforme o processo de evolução, podendo ser observada até hoje.

Nariz adaptado

A ideia de que o formato do nariz está ligado ao clima do ambiente, entretanto, não é nova. No fim do século XIX, o anatomista britânico Arthur Thompson havia sugerido a correspondência entre o formato do nariz e o clima. “Segundo ela, narizes longos e finos apareceram em áreas secas e frias, enquanto narizes curtos e largos ocorreram em áreas quentes e úmidas. Muitas pessoas testaram a questão com medidas do crânio, mas ninguém tinha feito medições em pessoas vivas”, explicou Mark D. Shriver, um dos autores do estudo e professor de antropologia e geneticista da Universidade Estadual da Pensilvânia, nos Estados Unidos, em comunicado.

Para testar se a adaptação ao clima seria responsável pelo formato do nariz humano, os pesquisadores analisaram as medidas de, pelo menos, quarenta pessoas nativas de quatro regiões do globo: Oeste africano, Leste e Sul asiáticos e Norte europeu. A escolha dessas áreas foi feita em razão da distância entre elas e da diferença observável nos rostos dessas populações. As medições levaram em conta características como a largura das narinas, a área e a distância entre elas, a altura e área externa do nariz. A análise foi feita com imagens faciais em 3D. Os pesquisadores também consideraram o clima das quatro regiões.

Continua após a publicidade

Comparando essas medidas à temperatura e à umidade absoluta dos diferentes locais, os cientistas perceberam a forte correlação entre as características faciais dos avaliados e sua distribuição espacial. Observou-se que narizes mais largos são mais comuns em lugares mais quentes e úmidos e, os mais finos, em lugares secos e frios.

Os cientistas ainda acreditam que outros fatores podem influenciar o formato nasal, como a seleção sexual. Isso porque as preferências culturais na escolha do parceiro sexual podem ter contribuído para a expressiva diferença entre as regiões.

Além de destrinchar esse processo evolutivo, a adaptação das fossas nasais ao clima pode ter repercussões médicas e antropológicas. O aprofundamento da questão pode revelar se a forma e o tamanho da cavidade nasal estão ligados ao risco de  contrair uma doença respiratória quando a pessoa vive em um clima diferente  do de seus ancestrais.

“Os estudos sobre a adaptação humana ao meio ambiente são essenciais para nossa compreensão das doenças e poderão esclarecer as origens de certas patologias, como a anemia por células falciformes, a alergia à lactose ou o câncer de pele, mais frequentes em certas populações”, destaca Arslan Zaidi, coautor do estudo e pesquisador do departamento de Antropologia da Universidade Estadual da Pensilvânia.

(Com AFP)

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)