Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Após cinco décadas, a Lua volta a ser protagonista da exploração espacial

Agora, jornada é impulsionada pela iniciativa privada e uma coalizão formada por vários países, incluindo o Brasil

Por Alessandro Giannini Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO , Luiz Paulo Souza Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 19 Maio 2023, 10h30 - Publicado em 19 Maio 2023, 06h00

Em 1969, pouco tempo antes de Neil Armstrong pôr os pés na Lua, Gilberto Gil cantou com delicadeza, inteligência e melancolia o feito que se aproximava, em Lunik 9: “Poetas, seresteiros namorados, correi / É chegada a hora de escrever e cantar / Talvez as derradeiras noites de luar”. Ele parecia inspirado pelo comentário do poeta britânico John Keats (1795-1821), que acusara o físico Isaac Newton (1643-1727) de destruir a beleza de um arco-íris ao explicá-lo a partir de equações da física. Parece já não haver dúvida: desde que o ser humano chegou à Lua, há 54 anos, em pequeno passo para o homem e gigantesco salto para a humanidade, o satélite da Terra perdeu um tanto de seu charme intangível movido a desconhecimento. Deixou de alimentar poesia e juras de amor — mas nunca se afastou do interesse científico de quem a vê aqui debaixo. Agora, meio século depois, os módulos de comando das agências espaciais voltam a apontar para lá, renovando a imensidão de mistérios.

PIONEIROS - Astronautas do programa Artemis: primeiro negro e primeira mulher
PIONEIROS - Astronautas do programa Artemis: primeiro negro e primeira mulher (Josh Valcarcel/NASA Johnson/.)

Nas próximas semanas, a Lua será desbravada de maneira impetuosa, algo jamais visto na história da exploração espacial. O CLPS (sigla em inglês para Serviços Comerciais de Carga Lunar), projeto de apoio a iniciativas privadas desenvolvido pela Nasa, enviará ao menos duas missões até o satélite. Outras duas estão previstas para o segundo semestre. Em junho, a Índia, que já fez duas tentativas de pouso controlado no solo do satélite — algo que só foi realizado até hoje por Estados Unidos, União Soviética e China —, arriscará uma terceira, chamada Chandrayaan-3. De fato, o ano reserva compromissos ambiciosos. A SpaceX, fundada pelo bilionário Elon Musk, agendou para o próximo inverno, quando será verão no Hemisfério Norte, a primeira viagem turística ao astro, a dearMoon. Financiada pelo empreendedor japonês Yusaku Maezawa, a missão levará ele e nove convidados civis à órbita lunar. O voo, que deverá durar ao menos seis dias, será a estreia do Starship, o foguete mais poderoso já construído, capaz de transportar até 100 passageiros ao espaço. O valor pago pela viagem não foi divulgado, mas estimativas apontam para algo como exorbitantes 50 milhões de dólares.

NO AR - Partida da lander Hakuto-R: tentativa frustrada
NO AR - Partida da lander Hakuto-R: tentativa frustrada (Paul Hennessy/Anadolu Agency/Getty Images)

O retorno à Lua é bem diferente das primeiras empreitadas. Na década de 50, quando começou a corrida espacial, ela era símbolo da rivalidade entre Estados Unidos e União Soviética. Na nova fase da exploração lunar, o astro continua sendo alvo de disputa entre duas grandes potências, mas o oponente americano mudou: agora é a vez da ascendente República Popular da China. Ambos têm metas ambiciosas. Enquanto os Estados Unidos planejam levar, em 2025, a primeira mulher e a primeira pessoa negra ao solo lunar, a nação da muralha almeja construir, nos próximos anos, uma base permanente utilizando matéria-prima do próprio satélite. As novidades não param por aí. O plano, dessa vez, não é ir para apenas fincar bandeira e voltar, mas desenvolver atividades permanentes e autossustentáveis de exploração, algo que se tornou possível ao longo das últimas décadas. “Até agora, a Lua ainda não foi explorada”, afirmou a VEJA o diretor sênior de estratégia para exploração humana e robótica da Agência Espacial Europeia (ESA), Stefaan De Mey. “Cientificamente falando, tem muita coisa a se fazer lá. A cada dia, as pessoas estão fazendo mais e mais descobertas.”

CONSTRUÇÃO - Nave indiana: o país quer pousar em solo lunar
CONSTRUÇÃO - Nave indiana: o país quer pousar em solo lunar (TAVD/URSC/ISRO/.)

Desta vez, a exploração do satélite será feita com a cooperação de iniciativas privadas. Até agora, apenas agências estatais foram à Lua, mas as missões comerciais, à semelhança do que ocorre na órbita baixa da Terra, ganham cada vez mais espaço. Isso foi visto com bons olhos pelas estatais — afinal, não há governo no mundo disposto a fazer, sozinho, todo o investimento necessário. “Essa é uma grande mudança simbólica sobre como pensamos o espaço”, disse a VEJA a arqueóloga espacial Alice Gorman, da Universidade Flinders, na Austrália. O movimento está a todo o vapor. Em abril, com o apoio da ESA e da Agência de Exploração Aero­espa­cial Japonesa (Jaxa), a empresa privada ispace tentou fazer o primeiro pouso comercial na Lua, mas falhou segundos antes da alunissagem. Ainda assim, a tentativa colocou a organização num patamar que nenhuma outra entidade privada alcançara até o momento.

Continua após a publicidade

Eterna namorada dos exploradores espaciais, a Lua representa também um símbolo de status para aqueles que conseguirem desbravá-la. “Temos muitos motivos para ir até lá, mas um dos principais é ter um astronauta europeu na superfície lunar antes do fim da década”, reconhece De Mey. A ESA é uma das vinte signatárias do acordo Artemis, um programa de cooperação internacional para exploração da Lua lançado pela Nasa. O acordo busca, além de colaboração, uma presença harmoniosa dos países no astro — algo semelhante ao Tratado da Antártica, compromisso assinado pelos que ocupam o Polo Sul para garantir o equilíbrio entre o desenvolvimento científico e a manutenção do meio ambiente.

A Agência Espacial Brasileira (AEB) também assinou o acordo, mas com planos menos ambiciosos do que os parceiros asiáticos e europeus. O Brasil não tem tradição em exploração espacial e, por isso, não investirá em foguetes e astronautas para a missão Artemis. “Vamos esquecer as partes complicadas e focar no que o Brasil tem expertise”, disse a VEJA o coordenador de satélites da AEB, Rodrigo Leonardi. “Nós vamos começar pensando no lado científico da exploração espacial.” A área de atuação brasileira não foi definida, mas já existe um projeto sendo desenvolvido no Instituto Tecnológico de Aeronáutica para a criação de um satélite de monitoramento climático que poderá entrar em órbita lunar. A AEB ainda busca parceria com institutos científicos, como a Embrapa, para a atuação em space farming, campo de pesquisa que visa ao aprimoramento de alimentos que poderão ser cultivados na Lua. A despeito do incômodo dos poetas, o sonho de ver o astro de perto está cada vez mais próximo de ser novamente realizado.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 24 de maio de 2023, edição nº 2842

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.