Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Clínica veterinária em Rondônia atende animais vítimas das queimadas

De preguiça a tamanduá, endereço recebe bichos silvestres

Por Sabrina Brito Atualizado em 10 set 2020, 19h21 - Publicado em 10 set 2020, 17h52

Uma clínica veterinária situada em Porto Velho, em Rondônia, tem repercutido internacionalmente. O motivo: os especialistas do local andam se desdobrando para atender animais silvestres, muitos deles vítimas das queimadas nas florestas.

O local, denominado Clinidog, foi aberto há quatro anos e vinha lidando sobretudo com cães e gatos. Contudo, há aproximadamente quatro meses, a lista de clientes do estabelecimento se tornou cada vez mais diversificada.

Foi nessa época que a equipe recebeu um pedido para atender um gavião com uma asa quebrada. A ave recebeu cirurgia ortopédica, mas acabou por morrer antes de poder ser libertada.

ASSINE VEJA

Os riscos do auxílio emergencial Na edição da semana: a importância das reformas para a saúde da economia. E mais: os segredos da advogada que conviveu com Queiroz ()
Clique e Assine

Após essa experiência bem-sucedida, a Polícia Ambiental passou a recorrer à Clinidog com mais frequência. Desde o começo desses atendimentos, os profissionais cuidaram de aves de rapina feridas, um tamanduá com a pata quebrada, dois macacos atropelados, uma arara vítima de apedrejamento… Embora algum desses casos sejam fruto de acaso ou força maior, o lado mais preocupante do atendimento tem se tornado cada vez mais nítido.

Continua após a publicidade

De acordo com Taís Paiva Oliveira, sócia-proprietária do estabelecimento, grande parte dos casos veterinários são resultado indireto de queimadas, muitas delas provocadas pela atividade humana. Isso porque, quando seu habitat começa a queimar, os animais fogem para longe. Muitas vezes, chegam machucados a regiões próximas de aglomerações humanas, quando recebem ajuda.

Exemplo disso foi a situação de uma preguiça, atendida nesta semana. O bicho fugia de uma queimada no interior e chegou com 30% de seu corpo queimado. Estava em tratamento quando morreu, dois dias atrás, em decorrência de seus ferimentos.

A preguiça, vítima de queimada no momento em que foi recebida pela clínica (Arquivo Pessoal/Reprodução)
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.