Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Temer: ‘Morte de vereadora Marielle é atentado à democracia’

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, que está em Fortaleza, irá para o Rio acompanhar os primeiros passos da investigação

Por Reuters Atualizado em 15 mar 2018, 12h27 - Publicado em 15 mar 2018, 12h26

O presidente Michel Temer classificou de “um atentado ao estado de direito e à democracia” o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), na noite de quarta-feira, no Rio de Janeiro, que está sob intervenção federal na área de segurança pública.

“O assassinato da vereadora Marielle e do seu motorista Anderson Gomes é inaceitável e inadmissível como todos os demais assassinatos que ocorreram no Rio de Janeiro. É um verdadeiro atentado ao estado de direito e à democracia”, disse Temer durante reunião sobre a segurança no Rio convocada para a manhã desta quinta.

“No caso especial que estamos aqui discutindo trata-de de uma representante popular que, ao que sei, fazia manifestações e trabalhos com vistas a preservar a paz e a tranquilidade na cidade do Rio de Janeiro”, acrescentou.

Temer convocou uma reunião com os ministros ​Eliseu Padilha, da Casa Civil, Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência, Sérgio Etchegoyen, do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, e o general Carlos Alberto dos Santos Cruz, secretário-executivo do Ministério da Segurança Pública.

Continua após a publicidade

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, que está em Fortaleza, irá diretamente para o Rio de Janeiro acompanhar os primeiros passos da investigação sobre a morte de Marielle.

“Quero não apenas me solidarizar com a família da Marielle e do Anderson Gomes como com todos aqueles que foram vítimas de violência no Rio de Janeiro, mas salientar que essas quadrilhas, essas organizações criminosas não matarão o nosso futuro. Nós estamos ali no Rio de Janeiro para restabelecer a paz e a tranquilidade”, disse Temer, defendendo a intervenção federal no Rio de Janeiro, que completa um mês nesta sexta-feira.

Marielle, de 38 anos e criada no Complexo da Maré, foi alvejada dentro do carro em que estava com outras duas pessoas por um atirador que disparou de um outro carro. O motorista do veículo da parlamentar também morreu, e uma assessora da vereadora ficou ferida.

O caso ocorreu no bairro do Estácio, na zona norte da capital fluminense, e o autor dos disparos fugiu sem levar nada. A motivação do crime está sendo investigada pela Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Rio, mas amigos e aliados da deputada disseram que o crime tem características de uma execução.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês